Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Deputado bolsonarista pede que filme do Porta dos Fundos saia do ar

Parlamentar do PSL, famoso por quebrar a placa em homenagem à Marielle Franco, acusa grupo de ofender classe policial e quer que PM seja indenizada

Por Duda Monteiro de Barros Atualizado em 23 mar 2022, 21h30 - Publicado em 23 mar 2022, 21h18

Nesta quarta-feira, 23, o deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL) protocolou na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro uma moção de repúdio ao grupo Porta dos Fundos. Ele pede a retirada do ar do filme “Peçanha contra o animal”.

Amorim decidiu entrar com o processo após tomar conhecimento de uma cena em que a comediante Evelyn Castro interpreta uma policial provando sêmen humano. Segundo ele, “o tom debochado” da produção é uma ofensa às policiais.

O filme é protagonizado por Antonio Tabet, que interpreta um sargento corrupto da Polícia Militar do Rio –  personagem já conhecido do Porta dos Fundos.

“Se querem liberdade de expressão, eis aqui a nossa forma de expressar a indignação com eles: na Justiça”, afirmou o deputado.

O parlamentar também solicita que o grupo pague uma indenização à Polícia Militar para investimento no Centro de Fisiatria da corporação. “Há muito tempo que esses sujeitos debocham da PM, ridicularizam a corporação. Agora eles passaram dos limites. Policiais femininas são, em sua maioria, mulheres de origem modesta, negras, que trabalham e estudam”, disse. A ação movida por ele descreve classifica a produção como “misógina”.

No início de março, Amorim posou junto com o deputado federal Daniel Silveira (PTB) com a placa quebrada — e agora emoldurada — em homenagem à Marielle Franco. Na época do assassinato da vereadora do Psol, em 2018, a dupla justificou o ato como uma forma de “restaurar a ordem”.

/
Daniel Silveira e Rodrigo Amorim posam novamente com placa quebrada de Marielle Franco. VEJA/Divulgação

Em 2019, o prédio da produtora humorística foi atacado com artefatos explosivos após um filme especial de Natal ser alvo de protestos de grupos conservadores.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)