Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Delação da Odebrecht: Jucá agia em sintonia com Renan

Senador do PMDB-RR chegou a defender MP que a empreiteira nem havia pedido, apenas para agradar a financiadora das propinas

O senador Romero Jucá levou a sério a missão de defender os interesses da empreiteira Odebrecht no Congresso. Pelo menos é o que deixa claro em sua delação o lobista da empreiteira Claudio Melo Filho, que VEJA publica na edição desta semana. Segundo 0 ex-funcionário da empresa, o parlamentar do PMDB de Roraima se aliou ao presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), para defender abertamente os interesses do grupo e, mais que isso, centralizou o recebimento das propinas.

Em 2014, para aprovar a Medida Provisária 651, de 2014, que ficou conhecida como “pacote de bondades”, Jucá atuou sem ser sequer acionado pela Odebrecht. Agiu movido pela “certeza de que receberia pagamentos a pretexto de contribuição de campanha”. Com base nessa convicção, logo que a MP 651 começou a tramitar, Jucá apresentou quatro emendas de interesse da empresa e atuou junto ao governo para que o texto, quando chegasse ao Palácio do Planalto, não fosse vetado. Deu tudo certo. “O tema foi aprovado no Congresso e depois sancionado pela Presidência da República”, diz Melo Filho. Em seguida, Jucá apresentou a fatura para a Odebrecht. Pediu dinheiro para a campanha eleitoral de seu filho, Rodrigo Jucá, então candidato a vice-governador de Roraima. Levou 150 000 reais.

Segundo Melo Filho, ao longo do tempo, Jucá centralizou o recebimento de 22 milhões de reais em propina como pagamento pela aprovação de emendas defendidas pela Odebrecht. Do total, conforme o executivo, 20 milhões ficaram para Jucá e seu sócio, Renan Calheiros, o “Justiça”.

“O senador Romero Jucá centralizava o recebimento de pagamentos e distribuía os valores internamente no grupo do PMDB do Senado Federal, especificamente, no que posso atestar com total segurança, no que diz respeito aos senadores Renan Calheiros e Eunício Oliveira”, diz Melo Filho. “A Odebrecht sempre ajudou Renan Calheiros, de forma indireta, através de Romero Jucá.” Os pagamentos aos senadores eram periódicos e atrelados à aprovação das emendas de interesse da Odebrecht. Na prática, as medidas provisórias eram vendidas pelos parlamentares e compradas pela empreiteira.

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. O Senado era a empresa dessa gente .Lá têm seus luxuosos escritórios, com competentíssimo colaboradores, logística e mordomias, bancada pelo governo.
    Finalidade principal: ENRIQUECER .

    Curtir

  2. Sergio Campos

    Juca não agia em equipe com Renan, mas agiu, age e, se demorar em se fazer justiça, continuará a agir.

    Curtir

  3. Daniel Soares

    É muito triste saber que no Brasil a grande maioria de nossos políticos são eleitos em campanhas milhonárias abastecidas com dinheiro sujo. LAMENTÁVEL e VERGONHOSO.

    Curtir

  4. Napoleao Gomes

    Jucá, mais um corrupto vaga bundo a ir para o Brasil do Sul !

    Curtir