Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Caso Henry: Defesa de Jairinho pede revogação de prisão à Justiça do Rio

Advogados argumentam que o ex-parlamentar não tem intenção de coagir testemunhas e que não seria uma ameaça à ordem pública

Por Marina Lang Atualizado em 19 jan 2022, 19h31 - Publicado em 19 jan 2022, 19h19

A defesa do vereador cassado Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho, pediu a revogação da sua prisão à 7ª Câmara Criminal do Rio de Janeiro, ou a substituição da prisão preventiva por medidas cautelares mais brandas. O político é réu por homicídio triplamente qualificado e tortura do enteado, o menino Henry Borel, de apenas 4 anos, na madrugada de 8 de março do ano passado, além de coação no curso do inquérito policial. Protocolado na última quarta-feira, 12, o pedido está sob sigilo e não tem previsão de ir a plenário. A relatora do habeas corpus é a desembargadora Maria Angélica Guimarães Guerra Guedes.

Durante as últimas audiências em dezembro, a juíza Elizabeth Machado Louro, da da 2ª Vara Criminal, manteve a prisão dele e da mãe da criança, Monique Medeiros, que responde pelos mesmos crimes, além de falsidade ideológica por mentir em um documento hospitalar que atendeu o menino após uma agressão de Jairinho narrada pela babá Thayna Oliveira Ferreira. Ele está preso na Cadeia Pública Pedrolino Oliveira, enquanto Monique está no Instituto Penal Santo Expedito – ambas as penitenciárias ficam em Bangu (Zona Oeste do Rio).

Leia mais: Sombra do clã político de Jairinho paira sobre testemunhas do caso Henry

No documento protocolado na semana passada, a defesa de Jairinho argumenta que a fase das audiências preliminares do caso já está no final, e que, devido a isso, não haveria como o ex-parlamentar coagir testemunhas no curso do processo criminal, citando como exemplo a mudança de versão da babá de Henry, que afirmou à juíza  “que jamais presenciou qualquer agressão de Jairinho contra o menor Henry” e que Jairinho e sua equipe de advogados são os “maiores interessados no depoimento da testemunha no Tribunal do Júri”. Thayna, cuja mãe ainda presta serviços como babá do sobrinho de Jairinho, mudou de versão pela 3ª vez em juízo e foi indiciada pelo delegado Leandro Gontijo, da 16ª Delegacia de Polícia (Barra da Tijuca) por falso testemunho. O pedido dos advogados afirma, ainda, que Jairinho não é uma ameaça à ordem pública.

A advogada Sâmya Massari, que integra a equipe de assistência de acusação de Leniel Borel, pai de Henry, se manifestou sobre o pedido por meio de uma nota. “Os fundamentos invocados pela magistrada Elizabeth Machado Louro para manutenção da prisão preventiva permanecem latentes, inexistindo qualquer mudança no contexto fático a ensejar sua revogação ou substituição por medida cautelar substitutiva. A garantia da instrução criminal, da ordem pública e da aplicação da lei penal são primordiais para uma tramitação processual eficiente e propícia para alcançar a verdade, o que, por ora, se perfaz pela prisão de ambos os réus. Lembremos quem figura como verdadeira vítima nesse contexto: Henry Borel”, finalizou.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês