Casal gay recebe carta pedindo para que se mude de prédio no Rio

Aviso diz que 'gente de cor e ainda afeminada não está no nível' dos demais moradores; vítima tenta ter acesso às câmeras de segurança para descobrir autor

Por Da redação - Atualizado em 25 jan 2017, 12h29 - Publicado em 25 jan 2017, 11h04

O professor Júnior Santos, de 24 anos, e o seu namorado, o servidor público Maycon Aguiar, de 23 anos, receberam uma carta pedindo para que se mudem do prédio onde moram, na Zona Norte do Rio, por serem gays e um deles ser negro. As duas folhas de papel com conteúdo homofóbico e racista foram deixadas na janela da residência na última sexta-feira — os dois moram no local há cerca de um mês.

Repleta de erros de português, a carta cita um versículo da Bíblia para dizer que a homossexualidade é “errônea e aberrativa” e que “Deus não criou homem para se relacionar com homem ou mulher com mulher”. “Poupe-nós (sic) e nossos filhos de conviverem com gente da laia de vocês! Gente de cor e ainda por cima afeminada não está no nível dos moram (sic) aqui por favor se retirem!”, diz outro trecho do recado.

Rodrigo Oliveira, amigo do casal no Facebook, afirma que sua irmã mora no mesmo condomínio com a companheira e que elas já foram vítimas de difamação por uma vizinha. “A questão é: existem câmeras dentro do condomínio. Acredito que duas, especificamente. Estão sob o controle da vizinha processada outrora e mais outras pessoas. São 10 casas”, escreveu Rodrigo.Segundo ele, sua irmã move processo formal contra a vizinha na Justiça.

Júnior e Maycon teriam sido informados na delegacia de que nada poderia ser feito no caso, já que não há assinatura ou nomes na carta. O casal procura, agora, alguma forma de ter acesso às câmeras de segurança que podem ter registrado o momento em que o aviso foi colocado em sua janela.

Publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade