Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Apagão em SP: falhas de gestão pública e debate raso sobre privatização

O cenário de crise no qual mergulhou a cidade abriu as portas para a exploração política oportunista

Por Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho Atualizado em 4 jun 2024, 10h06 - Publicado em 11 nov 2023, 08h00

Era final de sexta-feira, no meio do feriado prolongado de Finados, quando uma chuva intensa, com rajadas de ventos de 104 quilômetros por hora, atingiu São Paulo e instaurou o caos. Apesar de acostumados a situações difíceis no seu cotidiano, os moradores da maior metrópole do país viveram a partir dali um pesadelo de proporções inéditas. A tempestade alagou ruas, apagou semáforos, derrubou um sem-número de árvores e deixou 2,1 milhões de endereços sem energia. Os prejuízos para as empresas foram gigantes: só no setor de hotéis, restaurantes e turismo, o dano foi estimado em 500 milhões de reais. A agonia foi longa. Na segunda, quando a capital paulista tentava retomar a vida normal, ainda havia 300 000 pontos sem luz. Na quarta, cinco dias depois do temporal, cerca de 10 000 clientes permaneciam às escuras.

O tormento climático, algo que deverá ser cada vez mais comum nos próximos anos, expôs um preocupante problema de gestão pública, em vários níveis. Um deles em uma atividade básica, que é a zeladoria da cidade: a queda em massa de árvores, causando prejuízos materiais, ferindo pessoas e atingindo a rede elétrica, é um transtorno que se repete há décadas. Como se viu, o atual prefeito, Ricardo Nunes (MDB), também foi tragado pelo problema e acabou atingido pela saraivada de críticas. A situação gerou reprimendas até do aliado, o governador Tarcísio de Freitas (Republicanos). Segundo disse ele, a “questão arbórea” era “uma das soluções mais baratas e efetivas”.

CAOS - São Paulo à noite: em alguns lugares, a luz demorou seis dias para voltar

CAOS - São Paulo à noite: em alguns lugares, a luz demorou seis dias para voltar
(Vincent Bosson/Fotoarena)

Continua após a publicidade

Evidentemente, o cenário de crise no qual mergulhou a cidade abriu as portas para a exploração política oportunista. O deputado Guilherme Boulos (PSOL), principal rival de Nunes no pleito municipal do próximo ano, saiu disparando contra o prefeito sem mencionar, no entanto, que cabe a uma agência federal — a Aneel, subordinada ao governo de seu aliado e cabo eleitoral, o presidente Lula — fiscalizar a concessão e a qualidade dos serviços prestados pela Enel, que desde 2018 opera o fornecimento de energia. E os sinais de que tudo ia mal não eram poucos: no relatório de 2022, a concessionária pontuou 49,28 em uma escala de satisfação dos clientes que vai de 0 a 100, ocupando a 45ª posição entre 53 concessionárias. No item confiança no fornecimento, foi a quinta pior. Questionada pela reportagem de VEJA, a Aneel não respondeu que providências mais drásticas adotou diante desse quadro tenebroso. É verdade que entre 2018 e 2023 a Enel foi multada pela agência reguladora em 157,2 milhões de reais por falhas no serviço. Desse montante, no entanto, pagou efetivamente apenas 34,3 milhões de reais.

A situação caótica provocada pelo apagão em São Paulo ainda precipitou uma discussão rasa e enviesada sobre a privatização de serviços públicos. As críticas ao processo de desestatização vieram de todos os lados, inclusive de onde pouco se esperava, casos de pessoas ligadas ao ex-presidente Jair Bolsonaro — como o ex-secretário Fabio Wajngarten — e do MBL, movimento que, em tese, defende ideias liberais, mas que parece mais empenhado em alavancar a candidatura de seu fundador, o deputado Kim Kataguiri (União Brasil), outro que tentará em 2024 a prefeitura de São Paulo.

TÁTICA - Boulos: busca de dividendo eleitoral sem citar papel de agência federal

TÁTICA - Boulos: busca de dividendo eleitoral sem citar papel de agência federal
(Bruno Spada/Câmara dos Deputados)

O histórico das responsabilidades sobre a distribuição da energia em São Paulo é cheio de idas e vindas. Na origem, o serviço estava aos cuidados da iniciativa privada. A infraestrutura foi implantada em 1899 pela canadense São Paulo Railway e estatizada em 1979, quando a empresa foi adquirida pela Eletrobras. Dois anos depois, o controle passou ao governo de São Paulo, que criou a Eletropaulo. Em 1995, Mario Covas (PSDB) dividiu a empresa em quatro menores. Em 1999, a Eletropaulo Metropolitana, a fatia mais rentável do pacote, acabou sendo vendida a um consórcio formado por empresas americanas, francesas e a brasileira CSN. Em 2001, ela passou a ser controlada só pela americana AES Corporation e mudou de nome para AES Eletropaulo. Em 2018, enfim, a Enel Brasil, subsidiária da multinacional com sede na Itália, comprou 73% das ações. Além de São Paulo, a Enel atua no Rio e no Ceará. Em 2022, a empresa deixou de prestar serviço em Goiás. “Eles agiam como se fossem donos da concessão, só devendo satisfações a Roma”, ironiza Ronaldo Caiado, governador desse estado.

Ao contrário das privatizações bem-sucedidas realizadas na telefonia e em outras áreas, o processo de desestatização do setor elétrico teve problemas de origem que repercutem até hoje. Quando as empresas privadas começaram a entrar no negócio, em meados dos anos 90, a rede de distribuição já se encontrava sucateada. Os contratos assinados para as concessões não garantiram de forma suficiente os investimentos para a recuperação do sistema e a falta de concorrência só piorou a situação. “A qualidade do serviço piorou e o preço da conta de luz aumentou”, resume Ildo Sauer, professor do Instituto de Energia da USP.

Continua após a publicidade
DESASTRE - Dilma Rousseff: redução da conta de luz anunciada no final de 2012 virou um “tarifaço” nos anos seguintes

DESASTRE - Dilma Rousseff: redução da conta de luz anunciada no final de 2012 virou um “tarifaço” nos anos seguintes
(Roberto Stuckert Filho/PR)

Se não bastasse, mesmo considerando o fiasco generalizado do histórico de atuação das agências reguladoras, uma boa ideia que acabou sendo completamente desvirtuada, virando um dos maiores cabides de nomeações políticas dos últimos tempos, a Aneel conseguiu se destacar negativamente pela mais completa inoperância. Mesmo as agências estaduais têm poder limitado, já que a competência para fiscalizar e punir é da União — em alguns casos, os órgãos locais apelam à Defesa do Consumidor para aplicar multas e cobrar indenizações, mas a concessionária pode contestar na Aneel.

Continua após a publicidade

Outro problema brasileiro é a frouxidão dos parâmetros impostos pela agência reguladora. Desde 2019, uma resolução permitiu elevar o limite tolerável para interrupções no fornecimento— na prática, uma residência pode ficar até 84 horas por ano no escuro, contanto que o tempo interrompido não some mais de 7 horas por mês. “As distribuidoras são cada vez menos pressionadas a prestar um serviço de qualidade”, lamenta Carlos Augusto Kirchner, consultor da Federação Nacional dos Engenheiros para assuntos regulatórios.

O recente blecaute em São Paulo é apenas o mais novo capítulo de um longo histórico de crises recorrentes geradas pelos problemas crônicos do sistema elétrico. O mais grave se deu nos tempos de Fernando Henrique Cardoso, com o apagão na capacidade de geração de energia. O estrago político foi enorme e teve influência nas eleições presidenciais de 2002, quando José Serra, o candidato escolhido pelos tucanos para tentar suceder a FHC, perdeu a disputa para Lula. Em 2013, foi a vez de Dilma Rousseff sofrer as consequências de um gesto desastrado e demagógico: o anúncio da redução de tarifa em 16% no final de 2012. Após queda em 2013, a conta para o consumidor disparou nos anos seguintes. O “tarifaço” ajudou a corroer a popularidade de Dilma.

CAMPANHA - Alckmin: em 2006, ele teve que dizer que não iria privatizar nada

CAMPANHA - Alckmin: em 2006, ele teve que dizer que não iria privatizar nada
(Alan Marques/Folhapress/Folhapress)

Embora a concessão à iniciativa privada de serviços operados pelo estado tenha se revelado quase sempre um grande acerto, a defesa da privatização é vista com receio pelos políticos do país, que temem perder votos. Um exemplo foi o do hoje vice-presidente Geraldo Alckmin. Em 2006, quando disputava a Presidência pelo PSDB, ele passou pelo constrangimento de usar boné e jaqueta com logomarcas de estatais para reforçar que não iria vendê-­las caso fosse eleito.

O episódio do apagão em São Paulo já provoca estilhaços em Tarcísio de Freitas, que será obrigado a enfrentar um clima ainda mais hostil em seu plano de desestatizar a Sabesp, maior companhia de saneamento básico do país. Enquanto isso, o governo Lula segue acelerando na direção contrária, descartando qualquer privatização (Petrobras, bancos oficiais, Porto de Santos, Correios, entre outras) — já reverteu ao menos uma (por decreto, anulou a extinção da fábrica de chips Ceitec) e sonha em fazer o mesmo com a Eletrobras, a principal empresa do nosso sistema elétrico.

Continua após a publicidade

A maneira confusa como a privatização entrou no debate político do maior colégio eleitoral do país é algo a lamentar porque ajuda a desperdiçar mais uma oportunidade de aperfeiçoar esse modelo. No caso específico do setor elétrico, há a necessidade de um ajuste mais profundo. “O governo precisa reorganizar o sistema, deixando no mercado apenas as concessionárias mais eficientes e criando linhas especiais de crédito para elas, via BNDES, para a recuperação da infraestrutura”, afirma Ronaldo Caiado. A sugestão do governador goiano toca em alguns pontos essenciais: em qualquer política de privatização, a entrega de concessões ao setor privado não significa que o poder público sairá de cena. Pelo contrário. Nesse cenário, a atuação do governo passa a ser ainda mais fundamental, na gestão dos contratos, na depuração dos participantes do mercado e na fiscalização para garantir a entrega de serviços com qualidade à população a um preço justo. Infelizmente, como ficou claro no caos enfrentado pelos paulistanos, o que há no setor elétrico é um apagão nesse papel regulador do poder público. O país precisa de menos escuridão e mais luz nesse debate.

Posição da Enel

Em nota enviada a VEJA, a Enel Brasil informou “que a decisão de sair de Goiás foi resultado, na ocasião, da estratégia do grupo de buscar um equilíbrio de portifólio entre geração e distribuição nos países em que atua”.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 10 de novembro de 2023, edição nº 2867

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.