Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

A saga da Justiça para citar José de Abreu em ação movida por Bia Doria

De férias na Europa, ator diz não ter residência fixa

Por João Batista Jr. - 14 dez 2019, 09h39

Há dois anos, a Justiça tenta intimar José de Abreu em uma ação promovida pela primeira-dama paulista Bia Doria. O processo em que ela pleiteia indenização no valor de 100 000 reais iniciou-se após o ator compará-la a um animal em um post publicado no dia 6 de outubro de 2016, no Twitter: “STF proíbe vaquejada, mas permite que Bia Doria dê entrevista? É um crime contra os animais…”.

Naquele dia, Bia Doria havia dado uma entrevista à Folha de S. Paulo, ocasião em que falou desconhecer onde ficava o Minhocão, importante viaduto de São Paulo. Abreu, por determinação da Justiça, chegou a deletar o tuíte em questão. Mas Bia, por ter sua honra e reputação abaladas por ter sido comparada a um animal, entrou com processo de indenização em 2017. Aí começou a novela.

Abreu alega não ter residência fixa e ficar hospedado quando no Rio de Janeiro em imóveis alugados pelo Airbnb. A Justiça chegou a pedir endereço de Abreu em dados de Receita Federal, telefonia de celular e Rede Globo. Os oficiais, no entanto, não conseguiram encontrá-lo pois ao chegar aos locais descobriam que havia se mudado.

Ele integrou o elenco da novela A Dona do Pedaço, novela global finalizada há um mês, onde dava expediente durante toda a semana. Tem emprego e, até poucas semanas, local de trabalho fixo. Abreu está e viagem pela Europa. Ele tem um apartamento em Paris, alugado no momento. O caso foi relevado pela Folha.

Publicidade