Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Walcyr Carrasco Por Walcyr Carrasco

Abaixo o cancelamento

A internet virou o novo tribunal da inquisição — e isso é péssimo

Por Walcyr Carrasco Atualizado em 5 mar 2021, 11h05 - Publicado em 5 mar 2021, 06h00

Só se fala na rapper Karol Conká, que saiu do BBB, da Rede Globo, com a maior votação da história do programa. Rejeição de 99,17% não é pouca coisa. A questão de seu comportamento ter sido odioso aos olhos do público não é o principal para mim. Sou o primeiro a reconhecer que errei muitas vezes. Tive atitudes pavorosas com amigos e relacionamentos, das quais me arrependo até hoje. Se alguma das vezes em que derrapei como ser humano tivesse ido parar na internet, o que aconteceria? Talvez tivesse de aprender russo ou mandarim para recomeçar a carreira em paragens distantes. Todos nós já fizemos algo de que não nos orgulhamos, falamos bobagem, brincadeiras de mau gosto etc… Recentemente, o ator Armie Hammer, de Me Chame pelo Seu Nome, sofreu acusações de abuso contra mulheres. Finalmente, através do print de uma conversa, acabou sendo responsabilizado também por canibalismo. Pavoroso. Tudo isso foi parar na internet. Ergueu-se um tsunami contra ele. A carreira foi por água abaixo. Saiu de um filme, de uma série e perdeu a agência que o representava. Tudo o que aparentemente ele disse ou fez é terrível. Mas não foi denunciado judicialmente. Muito menos, julgado. E daí? Na internet, cancela-se. E se mais tarde for comprovado que ele não é autor dos textos, que não é realmente culpado? Depois de perder tudo?

Woody Allen, até então um cineasta considerado genial, está sendo cancelado, embora as suas acusações de abuso não tenham sido provadas na Justiça. O próprio Lewis Carroll, autor de Alice no País das Maravilhas, é suspeito de pedofilia. Sempre acreditei que a obra transcende o autor. Mas o cancelamento é a destruição de carreiras, legados e também de vidas. Vi no YouTube uma belíssima entrevista de Cunha Jr. para o Metrópolis. Conversou com Guilherme Terreri Pereira, professor, ator, youtuber e muito conhecido na internet como a drag Rita von Hunty. Genial, de opiniões intelectualmente sólidas. Guilherme falou em uma nova inquisição. Onde, como no passado, as pessoas não têm direito à defesa. Não é só questão de sofrer com a opinião alheia. Karol Conká perdeu seguidores, shows… arrependida, tenta refazer a imagem. Conseguirá?

“Se alguma das vezes em que derrapei como ser humano tivesse ido parar lá na rede, o que aconteceria?”

Já tive contato com esse ódio através de uma personagem. Durante a novela Alma Gêmea, exigiam por todos os meios que castigasse a vilã Cristina (Flávia Alessandra). Parentes me pressionavam! No último capítulo o próprio diabo saiu do espelho e levou Cristina. Muitos amigos reclamaram, dizendo que tinha sido “pouco”. Imagino toda essa pressão contra alguém. É assustador. O cancelamento é uma nova expressão do moralismo, na qual o mundo é dividido entre bom e mau, entre certo e errado. Não importa se a causa parece progressista, liberal. Cancelar é contribuir com uma visão autoritária da sociedade. Assim como religiosos enviam pecadores para o inferno, vão os cancelados para as profundezas da internet.

Eu acredito na transformação. A vida é um aprendizado. Ninguém é tão perfeito que não possa ser cancelado. E se for você?

Publicado em VEJA de 10 de março de 2021, edição nº 2728

Continua após a publicidade
Publicidade