Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
VEJA Gente Notícias, bastidores e conversas de quem é assunto na cultura, na política, nos negócios e em outras rodas

Irmãos e filhos querem que Regina Duarte deixe o governo o quanto antes

No entendimento deles, ela foi enganada, assim como Sergio Moro

Por João Batista Jr. Atualizado em 29 abr 2020, 15h55 - Publicado em 29 abr 2020, 12h56

O receio sobre a ida ao governo se confirmou. A família de Regina Duarte temia que ela seria alvo de bolsonaristas e poderia ter sua biografia queimada em Brasília, exatamente como vem acontecendo. Parentes próximos estão perplexos e aborrecidos, em especial Tereza, sua irmã mais próxima, e Gabriela, a filha, com o que Regina tem enfrentado dentro do governo. A atriz está sendo humilhada pelo presidente Jair Bolsonaro e não possui autonomia para tocar a pasta da forma como lhe foi prometido. No entendimento deles, foi enganada, assim como Sergio Moro: sem poder de gestão. Regina nunca foi aceita pelos bolsonaristas fanáticos, sendo uma das razões sua história na Rede Globo. Também pesa para essa turma ela ser aberta ao diálogo com artistas de diferentes espectros ideológicos. Quando bate em Regina, direta ou indiretamente, Bolsonaro ganha pontos com os apoiadores radicais.

  • Parentes querem que a atriz deixe o governo o quanto antes como forma de não prolongar uma crise que não deve acabar tão cedo. Ela tem se mantido mais calada. “Não estou participando nem sei de nada”, diz André Duarte, único filho que apoiou a ida da mãe ao governo. Ele está confinado, longe de Brasília. João e Gabriela, os outros filhos, foram contra desde o início. Procurada por VEJA, Gabriela não quis se pronunciar. A novela Regina Duarte e Jair Bolsonaro tem tudo para acabar com um final infeliz. Após a publicação desta nota, a assessoria de imprensa de Regina Duarte procurou a coluna para afirmar que seus parentes não querem que ela deixe o governo.

    ASSINE VEJA

    Coronavírus: uma nova esperança A aposta no antiviral que já traz ótimos resultados contra a Covid-19, a pandemia eleitoral em Brasília e os fiéis de Bolsonaro. Leia nesta edição.
    Clique e Assine

     

    Publicidade