Clique e assine a partir de 9,90/mês
VEJA Gente Por João Batista Jr. Notícias, bastidores e conversas de quem é assunto na cultura, na política, nos negócios e em outras rodas

Como Marina Ruy Barbosa dribla a crise e vira sucesso de vendas

100% do lucro da primeira coleção da grife da atriz será doado

Por João Batista Jr. - Atualizado em 31 jul 2020, 12h14 - Publicado em 31 jul 2020, 06h00
MARINA RUY BARBOSA – João B/.

A atriz Marina Ruy Barbosa aproveitou o hiato de gravações da quarentena para tirar do papel o sonho antigo de ter uma grife de roupas. A Ginger foi lançada na semana passada e todas as peças acabaram em doze horas. O lucro da primeira coleção será doado à ONG Gerando Falcões, que trabalha com a educação de jovens carentes.

Quando surgiu a ideia de lançar uma marca? A paixão por moda me acompanha desde sempre e só foi crescendo. Minha carreira de atriz me deu a oportunidade de conhecer melhor esse universo. Devido à minha rotina de trabalho, nunca tive tempo de me dedicar ao projeto. Depois de um momento de muita reflexão e amadurecimento, decidi montar uma marca autoral com minha sócia Vanessa Ribeiro.

Imaginava essa quantidade de produtos vendidos? Olha, eu estava muito confiante no produto e na marca que apresentamos, mas confesso que a rapidez nas vendas me surpreendeu. O estoque se esgotou em poucas horas.

A marca nasceu dentro de um mundo que valoriza o social e o sustentável: como se deu a escolha das entidades que receberão parte dos lucros e a seleção de tecidos? Foi muito importante para mim alinhar o lançamento com a oportunidade de ajudar a sociedade. A escolha da Gerando Falcões foi muito natural, estou ao lado dessa organização há anos: 100% dos lucros da coleção Prefácio será doado a essa ONG. Já a seleção dos tecidos leva em consideração a qualidade e o impacto gerado no meio ambiente.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 5 de agosto de 2020, edição nº 2698

Publicidade