Clique e assine a partir de 9,90/mês
VEJA Gente Notícias, bastidores e conversas de quem é assunto na cultura, na política, nos negócios e em outras rodas

Boca Rosa: a farsa do ativismo de rede social

Após comentários no 'BBB20', a influenciadora digital teve seu "cancelamento" pedido no Twitter

Por João Batista Jr. - Atualizado em 30 jul 2020, 19h11 - Publicado em 3 fev 2020, 18h25

Até ser “pega” demonstrando apoio aos colegas machistas em rede nacional, a influenciadora Bianca Andrade, a Boca Rosa, era a participante do Big Brother Brasil 20 que mais registrava aumento de seguidores no Instagram: uma média de 150 000 por dia. Essa curva se inverteu após ela virar as costas para as amigas da casa, defendendo um participante de atitudes nitidamente machistas. Boca Rosa perdeu nesta segunda (3) pelo menos 80 000 seguidores na plataforma, após uma onda de críticas no Twitter.

O episódio em questão mostra o ativismo falso muito comum em rede social. Boca Rosa sempre defendeu a causa das mulheres. Já ganhou prêmio, faz campanhas e se diz adepta do movimento “girl power”. Só que, confinada em uma casa com mais de 200 câmeras, foi traída pela própria personalidade.

No mundo politicamente correto, ter uma causa é fundamental. Assessores e agentes instruem seus clientes a levantarem bandeiras de assuntos como defesa dos animais, direitos de minorias e igualdade de gênero. A estratégia nem sempre é genuína, mas rende curtidas e seguidores — justamente o que a influenciadora digital está perdendo hoje com seu pedido de “cancelamento” via redes sociais.

Publicidade