Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O hipócrita nasceu no palco

A palavra hipócrita veio do grego e designava, a princípio, apenas um ator, um comediante, um histrião, sem as conotações intensamente negativas – de falsidade, dissimulação, fingimento – que hoje estão grudadas nela. Ou melhor: o fingimento estava lá, mas era exercido em nome de uma causa nobre, a de entreter o público.

Todos os filólogos concordam sobre a origem do vocábulo hipocrisia: o grego tardio hypokrisía, com ou sem a intermediação do latim hypocrisis. O dicionário Saraiva define assim o substantivo latino: “elocução, declamação; arte, habilidade para imitar a fala, gestos e modos de uma pessoa”.

Há alguma controvérsia sobre os sentidos primitivos que deram origem à acepção moderna de hipócrita. O Houaiss registra a acepção grega de “intérprete de um sonho, de uma visão; adivinho, profeta” como anterior à de ator – o que pode sugerir uma raiz de charlatanismo para o dissimulado de hoje.

No entanto, o etimologista catalão Joan Corominas liga a hipocrisia diretamente ao trabalho de interpretação de uma peça, sem a interferência de profetas ou adivinhos, ao derivar o termo grego de hypokrínomai, “diálogo”.

Seja como for, é certo que ao desembarcar em português no século XIV a palavra hipócrita já trazia consigo, pronta, a acepção que hoje vemos atribuída com frequência a políticos e outros fingidores. O passo decisivo para a consolidação desse sentido foi, segundo o Saraiva, o uso do vocábulo latino por São Jerônimo (cerca de 347-420), padre e erudito, para designar um tipo bem específico de “ator”: o falso bom cristão, o devoto fingido.

Em tempo: o grego Hipócrates, conhecido como “pai da medicina”, não tem nada a ver com isso.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Claudionor

    Como não tem nada com o pai da medicina? Quem conhece o famoso juramento de Hipócrates que é feito pelos médico e compara com suas práticas, não há como não dizer que é um juramento “hipócrita”.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Paulo

    De médico e hipócrita, todo mundo tem um pouco.
    Att

    Curtir

  3. Comentado por:

    Casca Fina

    Muito bom.
    Concordo com o senhor quando realça a hipocrisia como atributo de políticos e outros tingidores.
    E concordo também com o Claudionor: quem já leu o Juramento Hipocrático e analisa o comportamento de muitos, mas muitos mesmo, médicos de hoje, não tem como evitar a conclusão lógica: hipócritas, sim, no pejorativo, e sempre reincidentes em perjuro.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Anna

    A vida real está cheia de “atores”.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Haylton Gomes

    O hipócrita nasceu no palco sim, mas tem muitos deles nas igrejas de nosso Brasil e do mundo, quem sabe. Tem muita gente fazendo palco das igrejas, mentindo e fingindo. Foi assim nos tempo de Jesus e parece que vai continuar assim por um bom tempo.

    Curtir