Clique e assine a partir de 9,90/mês
Rio Grande do Sul Por Veja correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens gaúchos. Por Paula Sperb, de Porto Alegre

Marina entra com ação contra Bolsonaro por causa de invasão hacker

Em Porto Alegre, candidata disse que espera que Justiça investigue invasão a grupo de mulheres no Facebook

Por Paula Sperb - Atualizado em 22 set 2018, 19h45 - Publicado em 22 set 2018, 19h12

A candidata a presidente Marina Silva (Rede) ingressou com uma ação contra o adversário Jair Bolsonaro (PSL) no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) neste sábado, por conta do ataque hacker de seus simpatizantes ao grupo no Facebook “Mulheres contra Bolsonaro”, com mais de 2 milhões de membros. Em visita a Porto Alegre neste sábado, Marina afirmou que espera que “seja feita uma investigação” e que as mulheres “têm o direito de manifestar sua posição sem que sejam agredidas por uma cultura machista patriarcal”.

Marina comentou sobre o processo durante caminhada com simpatizantes na Orla do Guaíba, área de lazer revitalizada na capital gaúcha.

“Em uma democracia, não se pode tolerar qualquer forma de autoritarismo, invadindo e coibindo a liberdade de expressão das mulheres. As mulheres têm o direito de manifestar sua posição sem que sejam agredidas por uma cultura machista e patriarcal que tenta calar sua voz e seu direito de manifestar suas opiniões. Por isso que nós, da Rede Sustentabilidade, eu juntamente com o Eduardo [Jorge, candidato a vice], entramos com a ação. Para que seja feita uma investigação, para que aqueles que participaram desse ato criminoso e autoritário possam ser rigorosamente punidos”, disse a candidata a jornalistas presentes na caminhada.

O grupo no Facebook foi invadido por hackers no último dia 16. Com o ataque, o nome do grupo foi modificado para “Mulheres Com Bolsonaro” com uma foto do candidato do PSL no perfil. As moderadoras foram excluídas. O grupo voltou ao ar no dia seguinte.

Continua após a publicidade

Além da caminhada na orla, Marina participou de ato no bairro Jardim Leopoldina, na zona norte de Porto Alegre.

No Rio Grande do Sul, a Rede Sustentabilidade, partido de Marina Silva, apoia o candidato do PSDB, Eduardo Leite. Em nível nacional, os tucanos são oponentes de Marina com a candidatura de Geraldo Alckmin a presidente.

Publicidade