Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Rio Grande do Sul Por Veja correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens gaúchos. Por Paula Sperb, de Porto Alegre

Após desistências, RS agora tem sete candidatos a governador

Candidatos do PP, PCdoB e PMB abriram mão de disputar o cargo

Por Paula Sperb Atualizado em 7 ago 2018, 15h34 - Publicado em 7 ago 2018, 15h17

Após mudanças nas alianças dos partidos, o Rio Grande do Sul tem agora sete candidatos ao governo do estado. O último nome confirmado para a disputa foi justamente o do atual governador, José Ivo Sartori (MDB). Candidato à reeleição, Sartori passou o período da pré-campanha sem anunciar que disputaria novamente a corrida eleitoral. Seu nome foi oficializado na convenção do MDB, no último domingo, 5. Além de Sartori, Eduardo Leite (PSDB), Jairo Jorge (PDT), Júlio Flores (PSTU), Mateus Bandeira (Novo), Miguel Rossetto (PT) e Roberto Robaina (Psol) disputam a chefia do Palácio Piratini (entrevistas abaixo).

Sartori precisará quebrar a “tradição” política do estado de não reeleger nenhum governador desde a redemocratização. Nas pesquisas eleitorais, o governador é apontado como preferido dos eleitores, mas também concentra a maior rejeição.

Os pré-candidatos que abriram mão da disputa foram Luiz Portella, do Partido da Mulher Brasileira (PMB), Luis Carlos Heinze (PP) e Abigail Pereira (PCdoB). Portella, que disse a VEJA não ver contradição em fazer parte de um partido com foco nas mulheres, foi a primeira baixa. Ele passou apoiar Jairo Jorge (PDT).

O segundo a deixar a disputa foi o deputado federal mais votado do estado, Luis Carlos Heinze (PP-RS). Depois que a senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS) foi anunciada como vice na chapa de Geraldo Alckmin (PSDB), o PP gaúcho passou a apoiar a candidatura do tucano Eduardo Leite (PSDB). Heinze, portanto, vai tentar uma das duas vagas no Senado. O MDB de Sartori tentou uma aproximação com o PP, já que o apoio do partido ao PSDB fortalece Leite.

A terceira desistência foi de Abigail Pereira (PCdoB) que, assim como Manuela D’Ávila, passou a apoiar o PT. Abigail, entretanto, não será vice do petista Miguel Rossetto. A comunista concorrerá uma das vagas ao Senado. O senador Paulo Paim (PT) tentará a reeleição.

O Rio Grande do Sul também soma quatro candidatos a vice-presidente nas chapas nacionais.

Abaixo, veja entrevistas com os candidatos, publicadas em ordem alfabética e com fotos de arquivo escolhidas pelas assessorias. A reportagem aguarda entrevista com José Ivo Sartori (MDB), que optou por não falar antes de confirmar seu nome na convenção do partido.

  • Siga VEJA Rio Grande do Sul no Twitter.

    Continua após a publicidade
    Publicidade