Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O PFL, agora Democratas

Leitores indagam o que achei da mudança do nome do PFL para “Democratas” — a sigla será DEM — e de a presidência do partido ficar com o deputado Rodrigo Maia (RJ). A minha resposta: “depende”. Mudança de nome, por si, não significa grande coisa. A prática é que vai dizer. A passagem do comando […]

Leitores indagam o que achei da mudança do nome do PFL para “Democratas” — a sigla será DEM — e de a presidência do partido ficar com o deputado Rodrigo Maia (RJ). A minha resposta: “depende”. Mudança de nome, por si, não significa grande coisa. A prática é que vai dizer. A passagem do comando de Jorge Bornhausen para um jovem parlamentar, de 38 anos, busca sinalizar uma renovação de lideranças. Corresponde à verdade?

Um adjetivo — “Democratas” — substantivado, em princípio, parece uma coisa um pouco estranha. Quando nos referirmos aos parlamentares, escreveremos sem problema “os democratas etc e tal”. Mas e quando estivermos nos referindo à legenda? “O” Democratas ou “os” Democratas? Besteira? Talvez nem tanto. É sempre preferível um nome que não cause estranheza aos ouvidos. De fato, não sei se foi uma boa escolha. Ela me parece contrariar o trato habitual da língua. Nesse sentido, Partido Democrata seria melhor. A história de que “PD” é uma sigla que significa “pederastas” em vários países me parece uma rematada besteira.

O PFL era o único partido de médio porte que trazia a palavra “liberal” no nome. Acho que não restou nenhum. O PL, aquele partido-sanfona que incha e desincha a depender da generosidade do governo, também escolheu outra sigla: PR, Partido Republicano. Ainda que nem um nem outro tivessem um ideário claramente “liberal”, é evidente que se passou a considerar que a palavra já não seduz ninguém — se é que chegou a seduzir algum dia.

Segundo Bornhausen, “os democratas têm o dever de sustentar as plataformas da defesa do meio ambiente e dos direitos humanos e de defender avanços em suas cinco bandeiras que são o emprego, a educação, a saúde, a segurança e habitação”. Ok. Convenham: a tendência é que todos os partidos elejam essas prioridades, que são, digamos assim, entre sociais e moderninhas.

Não sei até onde essa mudança traduz uma renúncia dos partidos brasileiros a discutir o tamanho do Estado e seu papel na economia. É bem possível que sim. E, se assim for, isso corresponde a uma longa condenação.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    O antipríncipe

    Não consigo me esquecer da imagem que vi na TV do Rodrigo Maia, no final do ano passado, defendendo o reajuste de 91% aos parlamentares. O PFL como todos os outros partidos, vai mal.

    Curtir

  2. Comentado por:

    godoy

    Prezado Reinaldo, o infeliz PFL nada mais era do que a reunião dos retrógrados caciques regionais, cúmplices de qualquer governo de plantão, que antes se reuniam no PDS que, por sua vez, eram os mesmos na ARENA. Contribuiram muito para o atraso do Brasil, subestimaram e foram esmagados pelo PT (que, como vemos, representa hoje outro tipo de atraso). Vai tarde.Quanto a “liderança” de Rodrigo Maia (aliás, defendida por um artigo na Primeira Leitura) deve ser piada. Político insignificante deveria fazer um cursinho com José Dirceu.I

    Curtir

  3. Comentado por:

    José Maria e Silva

    Caro Reinaldo, a mudança de nome do PFL apenas abrevia o seu caminho em direção à ruína. Em vez de tentar resgatar aspectos positivos de sua história (como a criação da Frente Liberal, que possibilitou uma transição democrática menos traumática no país), o PFL enterra de vez esse passado. Com isso, vai confundir-se, definitivamente, com as siglas nanicas e de aluguel que pululam no parlamento. Sem contar que, com essa atitude do PFL, o termo “liberal” caiu de vez em desgraça, como bem notaste, virando palavrão.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Antônio C

    Mas se tinham a preocupação com a sigla PD remeter a pederasta, o termo DEMOCRATAS vai virar DEMO, como alguns leitores do blog já ressaltaram. Concordo com o Rei: é uma besteira. Poderiam ter escolhido PL do B. Só pra provocar os comunas.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Anônimo

    Considerando as grandes derrotas nas ultimas eleições que o partido dos antigos pflistas tiveram, fica parecendo qeu a mudança de nome foi uma estrategia diante dos resultados obtidos. Como mais tarde fizeram mudando o nome de PDS para PFL mudando somente o nome pois cometendo as mesmas barbaries de sempre.Deste modo dá pra ver q eles estão percebendo q o povo nao esta mais sendo tão burro de comoter os mesmos erros a vida inteira. De pouco a pouco o povo aprende.

    Curtir