Clique e assine a partir de 8,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Ministro do STF decide na segunda se depoimento de Cachoeira à CPI será ou não adiado

Por Felipe Seligman, na Folha Online. Volto em seguida. A defesa do empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, entrou com um pedido no STF para adiar o depoimento na CPI que investiga seu suposto esquema de corrupção, marcado para a próxima terça-feira(15). Ele argumenta que o presidente da CPI, deputado Vital do Rego (PMDB-PB), […]

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 31 jul 2020, 08h53 - Publicado em 11 Maio 2012, 22h43

Por Felipe Seligman, na Folha Online. Volto em seguida.
A defesa do empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, entrou com um pedido no STF para adiar o depoimento na CPI que investiga seu suposto esquema de corrupção, marcado para a próxima terça-feira(15). Ele argumenta que o presidente da CPI, deputado Vital do Rego (PMDB-PB), não permitiu que ele tenha acesso ao material colhido pela comissão e que não poderia prestar esclarecimentos sem saber sobre o que ele é investigado.

“É imperativo que Carlos Augusto e seus advogados conheçam previamente todas as provas que poderão servir de substrato aos questionamentos que decerto lhe serão dirigidos pelos parlamentares”, diz o habeas corpus impetrado pelo advogado de Cachoeira, Márcio Thomaz Bastos. Ele também pediu que o STF determine que Vital do Rego permita “em prazo razoável antes de sua oitiva, compulsar e copiar todo o material das Operações Vegas e Monte Carlo que se encontra na CPI”. O pedido foi encaminhado ao ministro Celso de Mello. Seu gabinete informou que o caso já está sendo analisado, mas que a decisão não deverá sair até a próxima segunda-feira (14).

Voltei
Em tempos de vale-tudo, também o noticioso, é preciso ter muito cuidado. Vamos ver: todo mundo tem o direito de saber do que está sendo acusado. Ou como se defender? Isso vale para qualquer um, até para Carlinhos Cachoeira. Assim, é grande a chance de que Celso de Mello, por motivos estritamente técnicos, diga “sim” ao pleito de Márcio Thomaz Bastos.

E se disser “não”? Certamente Bastos voltará à Justiça para que seu cliente tenha o direito de ficar calado na CPI. E aí será pule de dez: vai conseguir porque ninguém é obrigado a produzir provas contra si mesmo.

Caso Celso de Mello, na segunda, concorde com o adiamento, não entrem na conversa de que isso é conspiração em favor da impunidade ou sei lá o quê. Cachoeira, seus sequazes, os mensaleiros, os pilantras etc., toda essa gente tem de ser punida em nome do triunfo da lei. E tem de ser punida segundo a lei.

Continua após a publicidade
Publicidade