Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Ideli já começa a pôr as suas luzes — não as do cabelo — a serviço do governo

A ministra Ideli Salvatti, que assumiu essa derivação do Ministério da Pesca, que é a pasta das Relações Institucionais, já está dando prestimosa colaboração ao debate. E sua impressionante capacidade de iluminar o confronto político já se faz sentir. Estava aqui a pensar que figura do Iluminismo poderia ser associada à ministra: Voltaire, Rousseau, Montesquieu… […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 11h33 - Publicado em 21 jun 2011, 20h36

A ministra Ideli Salvatti, que assumiu essa derivação do Ministério da Pesca, que é a pasta das Relações Institucionais, já está dando prestimosa colaboração ao debate. E sua impressionante capacidade de iluminar o confronto político já se faz sentir. Estava aqui a pensar que figura do Iluminismo poderia ser associada à ministra: Voltaire, Rousseau, Montesquieu… Não! Acho que ela fica bem de Diderot. Não está lá pelos dons da natureza senão por seu enciclopédico conhecimento, tantas vezes demonstrado quando, aos gritos, enterrava CPIs e defendia José Sarney e Renan Calheiros. Leiam o que segue. Volto em seguida.

Ideli rebate líder e nega revisão em sigilo de obras da Copa

Na Folha Online:
A ministra Ideli Salvatti afirmou nesta terça-feira que o governo não pretende fazer modificações no projeto que determina o sigilo no orçamento das obras da Copa de 2014 e da Olimpíada de 2016. Horas antes, no Congresso, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), afirmou que os senadores poderiam “promover ajustes” na medida provisória aprovada pela Câmara. Ele afirmou que não pretende deixar para a presidente Dilma Rousseff a tarefa de vetar o polêmico artigo que impõe o sigilo.

Ao falar à imprensa, Ideli afirmou que o Planalto não concorda com modificações no projeto que saiu da Câmara. “Até porque temos pouco tempo para o projeto tramitar.” Questionada sobre a fala de Jucá, a ministra disse que “o fato é que houve uma interpretação equivocada da medida que prevê o sigilo. Ela serve para manter a competitividade. Se eu quero construir uma casa, não vou anunciar quanto estou disposta a pagar”.

Ideli afirmou também que conversou com o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), que compreendeu a posição do governo e que não se oporá à manutenção do texto como chegou à Casa. O sigilo foi aprovado pela Câmara na semana passada. Conforme a Folha revelou, foi incluído por uma manobra de última hora na medida provisória que altera a Lei das Licitações e flexibiliza os contratos de obras e serviços dos dois eventos esportivos. A mudança no texto tirou dos órgãos de fiscalização, como os tribunais de contas, o direito de consultar os orçamentos estimados pelo governo antes da escolha das empresas responsáveis pela execução dos projetos.

Comento
Huuummm… É, leitor, na sua vida privada, você, de fato, não diz ao empreiteiro contratado ou ao pedreiro, de antemão, quanto pretende pagar; antes, diz o que quer e ouve as propostas. Como o seu dinheiro tem limite, você fará uma escolha na média entre o bom e barato, de acordo com o seu caixa. Ah, sim: ninguém tem nada com isso, não é mesmo?

O caixa do governo é inesgotável. E governante não está lá cuidando de dinheiro privado, mas de dinheiro público. A ser como quer Ideli, então a Lei de Licitações tem de ser jogada no lixo. E já! E toda e qualquer obra terá uma estimativa secreta de custos, que a ninguém interessará, a não ser aos órgãos de vigilância — e, ainda assim, se eles solicitarem os dados.

Que coisa! Vejam só o que estamos discutindo na democracia brasileira: se os gastos do governo devem ou não ser conhecidos pelo povaréu. Como se vê, o PT é amarradão em manter sigilos, né? Menos o bancário e o fiscal de seus adversários…

Continua após a publicidade
Publicidade