Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Brasil vigia suspeitos de elo com extremistas no Irã

Por Lucas Ferraz, na Folha: O governo Lula monitora há três anos um grupo de brasileiros suspeitos de ter recebido instruções e dinheiro de organizações islâmicas para desenvolver atividades ou núcleos terroristas no país. Segundo a Folha apurou, a Polícia Federal abriu inquérito para investigar o caso, que também é acompanhado pela Abin, órgão de […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 13h26 - Publicado em 5 dez 2010, 07h17

Por Lucas Ferraz, na Folha:
O governo Lula monitora há três anos um grupo de brasileiros suspeitos de ter recebido instruções e dinheiro de organizações islâmicas para desenvolver atividades ou núcleos terroristas no país. Segundo a Folha apurou, a Polícia Federal abriu inquérito para investigar o caso, que também é acompanhado pela Abin, órgão de inteligência ligado à Presidência. Os brasileiros são monitorados desde que o governo recebeu um informe da CIA, o serviço secreto dos EUA.

O despacho informava que esse grupo, de cerca de 20 pessoas, viajou em 2008 ao Irã com o suporte logístico do Hizbollah e da Jihad Islâmica, milícias que não reconhecem o Estado de Israel e que são consideradas terroristas por vários países. A CIA acredita que esses brasileiros não foram escolhidos a esmo para ir ao Irã, mas sim recrutados para aprender como montar células políticas e/ou armadas. A Folha apurou que os suspeitos -todos convertidos ao Islã- são de cidades do Rio de Janeiro, de São Paulo, do Paraná e de Estados do Nordeste. Eles viajaram em duas datas diferentes a Teerã, capital iraniana.
Sob a condição de não ter o nome revelado, um oficial brasileiro de inteligência disse que o inquérito contém indícios de ligação do grupo com extremistas.

Suspeita-se que um dos responsáveis por intermediar a viagem tenha sido Mohsen Rabbani. Ele é procurado pela Interpol sob a acusação de ter participado do atentado a bomba na Amia (organização judaica), em Buenos Aires, em 1994. O ataque deixou 85 mortos. A CIA acredita que Rabbani esteja hoje escondido no Irã. À época do atentado, Rabbani morava na cidade e atuava como adido cultural na Embaixada do Irã. Um dos contatos de Rabbani com o Brasil seria um irmão, que vive no país. À Folha um funcionário da Abin revelou que ele também é vigiado pela agência.

Nunca houve ataque terrorista no Brasil, mas os norte-americanos sempre direcionaram a busca pelos responsáveis pela ação em Buenos Aires para a região da chamada tríplice fronteira -Brasil, Argentina e Paraguai. O diretor de inteligência da Polícia Federal, David Salen, confirmou que existe uma investigação sobre alguns desses brasileiros que viajaram ao Irã. Mas disse não ter certeza de que eles foram ao país persa para fazer curso terrorista -eles alegam ter viajado para estudar o Islã e colher experiências para criar um centro cultural em Pernambuco. Aqui

Continua após a publicidade
Publicidade