Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Ah, mas é bom demais!!! Ou: Vertigens visionárias que não carecem de seguidores

Dei uma espiada nos comentários, e já há lá alguns indignados. Entre as delicadezas, há coisas assim: “Quem é você para criticar Caetano Veloso, seu …”. E aí se pode escolher o xingamento, de A a Z. Quase sempre vêm acompanhados de uma desafio: “Quero ver se você publica…”. Por que eu deveria? Precisam da […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 05h20 - Publicado em 23 set 2013, 19h48

Dei uma espiada nos comentários, e já há lá alguns indignados. Entre as delicadezas, há coisas assim: “Quem é você para criticar Caetano Veloso, seu …”. E aí se pode escolher o xingamento, de A a Z. Quase sempre vêm acompanhados de uma desafio: “Quero ver se você publica…”. Por que eu deveria? Precisam da minha ajuda até para me odiar. Façam isso sem mim, ora!

Quem sou eu? O “Azevedo”, como me chama Caetano, que quer dizer “Hollywood” (ver uma de suas músicas). Na semana que passou, eu não gostei de uma entrevista do papa — e eu, que sou um papa-hóstia, disse por quê.

Um amigo me enviou um e-mail propondo outra leitura. Não citei o nome dele porque não havia pedido autorização. Meus amigos sabem que nunca os meto nas minhas pinimas. Certas vertigens visionárias não carecem de seguidores, não é mesmo, Caetano Veloso? Quem me enviou aquele texto foi o jornalista Márcio Antônio Campos, que trabalha no jornal “Gazeta do Povo”, do Paraná, onde mantém também um blog chamado Tubo de Ensaio, que trata de ciência e fé.

Eu sei que discordar de uma opinião do papa — quiçá das decisões de Jesus Cristo — a muitos parecerá menos grave do que apontar falhas no raciocínio de Caetano. Fazer o quê? Certa feita, consegui fazer com que o Vaticano mudasse uma tradução oficial (“ih, lá vem você com isso de novo…” — sim, mas aconteceu). Lá de onde venho, a gente não tem medo de dizer “sim” quando acha que tem de dizer “sim” e “não” quando “não”.

É assim que funciona.

Continua após a publicidade
Publicidade