Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A formidável bobagem de um livro que não li e que não lerei

A Folha desta segunda traz uma entrevista com um rapaz chamado Pedro Henrique Pedreira Campos, identificado como “historiador”. Tem 31 anos. Escreveu o livro “Estranhas Catedrais – As Empreiteiras Brasileiras e a Ditadura Civil-Militar”, publicado pela Editora da UFF. Parece que o objetivo é demonstrar como as empreiteiras já eram íntimas do regime militar — ora, […]

A Folha desta segunda traz uma entrevista com um rapaz chamado Pedro Henrique Pedreira Campos, identificado como “historiador”. Tem 31 anos. Escreveu o livro “Estranhas Catedrais – As Empreiteiras Brasileiras e a Ditadura Civil-Militar”, publicado pela Editora da UFF. Parece que o objetivo é demonstrar como as empreiteiras já eram íntimas do regime militar — ora, não me digam! E antes do golpe? Também! Logo… Não li. Não vou ler. Conheço o gigante pela pegada, a vida é curta para os livros que já há e que ainda não li. Se acrescento os bons que serão escritos, fico aflito… E por que não lerei?

Prestemos atenção às suas primeiras palavras: “A gente tenta ler a corrupção como exceção. Mas o que eu noto, considerando a história do capitalismo, é que a apropriação do público pelo privado é mais uma regra. As empreiteiras calculam a corrupção para obter lucro. Assim, se eu tenho que lucrar com uma obra, vou usar todos os métodos disponíveis. Um bom empreiteiro é o que faz a obra e a faz lucrativa”.

Vale dizer: ele não escreveu uma obra para analisar a gênese da corrupção, suas características particulares durante a ditadura ou sei lá o quê. Ele escreveu um livro contra o capitalismo, o que sugere que sociedades comunistas foram ou são ainda imunes a esse mal. O rapazola só concebe o capitalismo como “a apropriação do público pelo privado”. Quando dá, então, o exemplo em primeira pessoa, a besteira que diz é de trincar catedrais: “Assim, se eu tenho que lucrar com uma obra, vou usar todos os métodos disponíveis. Um bom empreiteiro é o que faz a obra e a faz lucrativa”.

Perceberam? Para ele, o único modo de uma obra ser lucrativa é por meio da fraude. No seu raciocínio, o lucro já é um roubo. Ele é jovem: apenas 31 anos. Mas é uma idade em que já não se tem o direito a tamanha ignorância. Nem Karl Marx confundia a tal “mais-valia” com roubo. Por que ele escreveu livro e dá entrevista? Não tenho a menor ideia.

O que começa mal não termina bem. A repórter indaga no fim da entrevista: “O senhor considera o financiamento de campanhas um dos motores da corrupção ligada a essas empresas?”. E ele responde: “Não é um motor, mas uma peça muito importante. O financiamento empresarial compromete toda a gestão futura. Se o empresário está pagando, ele vai ter poder sobre o governo que vai ser eleito. É a lógica de que quem financia governa junto”.

Entendi. Segundo esse raciocínio, se as doações de empresas forem proibidas, os interesses desaparecem, certo?, e os políticos, claro!, não farão caixa dois porque isso é muito feio. Bem, não vejo outro modo de responder às dúvidas lançadas por esse rapaz senão com a implementação no Brasil do regime de partido único e com a proibição do capitalismo. Uma coisa, assim, à moda cubana. Se a gente precisar de alguma grande obra, arruma um país amigo que queira tocá-la, mais ou menos como fez Cuba com o porto de Mariel, financiado pelo… Brasil!

Antes, a universidade brasileira era ruim. Depois foi piorando.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Luis Fernando Correia de Moura

    Reinaldo Azevedo e sua conhecida soberba. É por essas e outras que está perdendo confiabilidade. Se criticasse o livro depois de ler não haveria nenhum problema

    Curtir

  2. Marcos Azevedo

    Ué, vc não leu, nem vai ler mas faz uma síntese da obra do cara? Como pode?

    Curtir

  3. Poxa, Reinaldo, o senhor extrapolou todas as falas do doutor em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Não é possível inferir o que você conclui, em seu texto, com base no que destacou da entrevista. Ainda bem que é apenas um artigo no site de VEJA, não é mesmo? Poderia ser pior, poderia ser uma questão do ENEM. Abraços, gosto do seu trabalho, esse texto, contudo, não desceu legal.

    Curtir