Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Nenhum candidato apoiado pela primeira-dama consegue se eleger

Michelle Bolsonaro foi um fiasco como cabo-eleitoral: quatro derrotas

Por Edoardo Ghirotto Atualizado em 16 nov 2020, 11h25 - Publicado em 16 nov 2020, 11h17

Não foram só os candidatos apoiados pelo presidente Jair Bolsonaro que tiveram dificuldades para se eleger neste ano. A primeira-dama Michelle Bolsonaro havia apoiado publicamente quatro postulantes aos cargos de vereador. Todos naufragaram.

Ao contrários das lives eleitorais feitas pelo presidente, a campanha de Michelle por seus candidatos foi discreta. Ela se limitou a publicar os santinhos com os dados dos escolhidos nos destaques de seu perfil oficial no Instagram – o que não é pouca coisa. Ela tem 2,1 milhões de seguidores.

O ex-ginasta Diego Hypolito (PSB) era um dos candidatos de Michelle. Ele tentou uma vaga na Câmara dos Vereadores de São Paulo, mas obteve só 3.783 votos, não conseguiu se eleger e acabou como suplente.

Em Campina Grande, Michelle escolheu a candidatura de Patrick Dornelles (PSD), que somou 1.163 votos e saiu da eleição apenas com uma vaga na suplência.

No Rio de Janeiro, o favorito da primeira-dama era Anderson Bourner (Republicanos), outro que ficou na suplência ao receber 1.053 votos.

Já em Fortaleza, Michelle endossou o candidato Dom Lancellotti (Republicanos), cuja votação foi de 285 votos. Ele também será suplente de mandato.

Continua após a publicidade
Publicidade