Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Relator da CPI da JBS quer que advogados se expliquem por escrito

Alternativa diante da dificuldade para levá-los ao Congresso

Por Gabriel Mascarenhas Atualizado em 30 jul 2020, 20h42 - Publicado em 2 nov 2017, 17h02

A CPI da JBS chegou muito perto de convocar advogados que trabalharam para Joesley Batista, como Fernanda Tórtima e Pierpaolo Bottini.

A voz da primeira aparece nos áudios gravados pelos executivos da J&F, enquanto o segundo encontrou-se com Rodrigo Janot num bar em Brasília.

Os integrantes da comissão viram, porém, que levar os advogados para prestar depoimento no Congresso não seria fácil, em virtude do sigilo profissional.

Relator da CPI e amigaço de Eduardo Cunha, Carlos Marun busca uma alternativa para ouvi-los. Ele vem defendendo junto aos pares que a colegiado envie perguntas por escrito para Bottini e Fernanda.

Não se sabe se seus colegas de comissão toparão ou vão continuar determinados a constranger os advogados o quanto puderem.

Continua após a publicidade
Publicidade