Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A ‘hora da verdade’ para Bolsonaro na relação com Biden

Joe Biden, convidou 40 líderes mundiais para participar da Cúpula de Líderes sobre o Clima, nos próximos dias 22 e 23

Por Robson Bonin Atualizado em 9 abr 2021, 10h41 - Publicado em 9 abr 2021, 09h09

Diplomatas da Europa e dos EUA procuraram Tereza Cristina, o finado Ernesto Araújo, Paulo Guedes, e Ricardo Salles com recado semelhante.

A reunião de Joe Biden sobre o clima será a “hora da verdade” para o Brasil. O primeiro momento para que Bolsonaro e seu governo mostrem que estão empenhados em reconstruir a política ambiental de preservação da Amazônia.

Os diplomatas manifestaram preocupação aos integrantes do governo sobre a postura de Bolsonaro, que não teria se dado conta da gravidade do movimento em curso. Se o caminho da comunidade internacional for o das sanções, a coisa ficará muito pior, alertam. Logo, Bolsonaro precisa chegar na conferência com compromissos e ações concretas para apresentar.

Chefe do Meio Ambiente, Ricardo Salles vem construindo discretamente uma relação com os EUA e demais países interessados em participar desse novo momento na política ambiental. A interlocutores, ele diz que a pressão dos europeus e americanos já foi precificada pelo governo e que o trabalho em curso acompanha esse novo momento nas relações.

O presidente dos EUA, Joe Biden, convidou 40 líderes mundiais — Bolsonaro entre eles — para participar da Cúpula de Líderes sobre o Clima, nos próximos dias 22 e 23.

Leia também:

  • O longo caminho do centro para definir alternativa a Lula e Bolsonaro.
  • No pior momento da pandemia, as igrejas evangélicas permanecem lotadas.
  • Covid-19: mortes e internações caem entre vacinados, aponta levantamento exclusivo.
  • Janot está na mira do Supremo, do STJ e do Tribunal de Contas da União.
  • Acusações do passado envolvem ONG administrada por Flávia Arruda.
  • O mal dentro de casa: a rotina de violência que resultou na morte de Henry.
  • Com leilão de aeroportos, governo tem sopro de renovação na área econômica.
Continua após a publicidade
Publicidade