Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

PF prende quadrilha que contrabandeou uma tonelada de ouro para Europa

Esquema de transporte tinha participação de agente federal

Por Lucas Vettorazzo Atualizado em 27 jul 2021, 11h53 - Publicado em 27 jul 2021, 11h24

A Polícia Federal desarticulou nesta terça-feira, 27, uma quadrilha especializada em contrabandear ouro extraído ilegalmente em garimpos na região norte do país. 

Ouro e jóias eram enviados do Brasil para a Itália com a ajuda de um policial federal envolvido no esquema. 

A estimativa da PF é que a quadrilha, que atuava desde 2017, transportou nos primeiros dois anos de operação cerca de uma tonelada de ouro para o país europeu. 

As investigações começaram depois da prisão do policial, que atravessava a carga da área pública do aeroporto do Galeão até a parte restrita. 

Durante o inquérito, que tem mais de dois anos, a PF conseguiu apreender 17,7 quilos de barras de ouro e joias avaliadas em mais de um milhão de dólares.

No esquema, mulas eram responsáveis por transportar o material entre países. A organização também trazia ilegalmente joias da Ásia e Estados Unidos para o Brasil.  

Nesta terça estão sendo cumpridos pelo menos quatro mandados de prisão e 21 de busca e apreensão em oito cidades do Rio, São Paulo e Minas Gerais. Às 11h10, três alvos já tinham sido localizados e presos. 

As investigações tiveram apoio da Receita Federal. Os envolvidos poderão ser enquadrados nos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, contrabando e receptação qualificada. 

Os integrantes da quadrilha também poderão responder por usurpação de bens da União, já que se tratava de ouro retirado de áreas não concedidas para a exploração da iniciativa privada. Pela lei brasileira, os recursos naturais sob a terra são de propriedade do governo federal e só podem ser explorados com autorizações específicas. 

Continua após a publicidade
Publicidade