Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Jaques Wagner dedicou voto contra Collor aos pais e filhos

No Palácio da Alvorada no domingo, convidados de Dilma Rousseff, entre eles o ex-presidente Lula, criticaram os deputados por votarem pela “família”. A título de registro histórico, vale revisitar o voto do ministro Jaques Wagner, do ministério do gabinete (sic) de Dilma, na votação do impeachment de Fernando Collor, em 1992, na mesma Câmara: “Sr. […]

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 22h56 - Publicado em 21 abr 2016, 12h02
Antes como hoje: em nome da família

Antes como hoje: em nome da família

No Palácio da Alvorada no domingo, convidados de Dilma Rousseff, entre eles o ex-presidente Lula, criticaram os deputados por votarem pela “família”.

A título de registro histórico, vale revisitar o voto do ministro Jaques Wagner, do ministério do gabinete (sic) de Dilma, na votação do impeachment de Fernando Collor, em 1992, na mesma Câmara:

“Sr. Presidente, quero dedicar estas palavras e o meu “sim” na tarde de hoje aos meus pais e aos meus filhos. Aos meus pais como integrantes de uma geração que, na esperança, sempre plantou neste país a expectativa de sermos uma Nação correta, uma Nação altiva; aos meus filhos, que, junto com outros jovens, tomaram as ruas desta País, para dizer: ‘Vocês estão certos’. Esta Casa não lhes negará a esperança de que amanhã o Brasil será outro. Saí de minha casa hoje pela manhã, muito cedo, e tive o prazer de, às 7h30min, já encontrar brasileiros na Esplanada dos Ministérios, como aconteceu na disputa da final da Copa do Mundo de 1970. E este o espírito da Nação hoje. Estamos vivendo a final de um campeonato neste País, e é por isso que neste plenário não estaremos divididos na tarde de hoje entre oposicionistas e governistas, mas entre brasileiros que querem desfraldar a nossa bandeira verde e amarela e aqueles que, sorrateiramente, pretendem manter este país eternamente na impunidade, no jogo da corrupção, no jogo da conivência”.

Continua após a publicidade

Publicidade