Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Dallagnol em defesa de Janot: “não se pode punir por pensamentos”

Procurador da Lava Jato diz ainda que é "muito fácil julgar de fora"

Por Evandro Éboli - Atualizado em 30 Sep 2019, 12h27 - Publicado em 30 Sep 2019, 11h03

Coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, o procurador Deltan Dallagnol comentou na manhã desta segunda-feira o turbilhão causado por Rodrigo Janot, desde a revelação da semana passada que ele pensou em matar o ministro Gilmar Mendes.

Em entrevista ao Jornal da Manhã, da rádio Jovem Pan, Dallagnol afirmou ser muito fácil “julgar de fora” e se mostrou contrariado com a busca e apreensão na casa do ex-procurador-geral da República, ocorrida na última sexta-feira.

“Essa acusação do Janot de ele teria cogitado matar o ministro do Supremo, contraria a ideia civilizatória segundo a qual nós todos devemos buscar resolver conflitos na Justiça de modo civilizado. Agora é muito fácil julgar de fora” – disse Dallagnol, que afirmou na sequência.

“O que me surpreendeu foi um pedido de busca e apreensão por uma cogitação. A gente não pode punir alguém por pensamentos”.

Continua após a publicidade

Sobre resultados da Lava Jato, o procurador afirmou que o valor da propina paga chegou a R$ 6 bilhões e “quem paga propina, não paga de graça”.

Segundo ele, o prejuízo calculado em relação à Petrobras chegou a R$ 42 bilhões.

 

Publicidade