Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A função democrática da obra de pavimentação no QG do Exército

Depois de Bolsonaro aglomerar com golpistas que pediam a volta da ditadura na frente do QG, avenida foi fechada para recuperação do asfalto

Por Robson Bonin Atualizado em 11 Maio 2020, 09h26 - Publicado em 11 Maio 2020, 08h33

Há três semanas, a avenida que aparece na foto acima estava fechada por militantes bolsonaristas exatamente na frente do Quartel General do Exército. A aglomeração naquele 19 de abril ilustraria as páginas dos jornais do dia seguinte com uma foto de Jair Bolsonaro sobre uma camionete discursando para aloprados que pediam a volta da ditadura no país.

A manifestação golpista com o QG do Exército de cenário provocou constrangimento na caserna. Pouco depois da festa antidemocrática, a força fechou o trânsito no local para reparar a pavimentação da avenida. Além de fechar buracos, a obra produziu outro efeito significativo nos dias de manifestações alopradas em Brasília.

Neste sábado, quando os bolsonaristas se aglomeraram novamente, o Exército colocou as máquinas para reparar o asfalto e fechou o trânsito durante o dia de ato. No domingo em que golpistas ocuparam a rampa do Planalto na companhia de Bolsonaro, foi a mesma coisa. A obra, que parece avançar em ritmo casado com as manifestações, evita que novas aglomerações golpistas apareçam no comando da caserna.

Neste domingo, quando o Radar fez o registro, não havia ato bolsonarista em Brasília. O trânsito na avenida estava liberado.

Continua após a publicidade
Publicidade