Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Quem matou e quem mandou matar Marielle?

À espera de uma confissão

E assim se passaram 81 dias, completados hoje, da execução no Rio da vereadora Marielle Franco (PSOL) com quatro tiros na cabeça. O motorista Anderson Pedro Gomes, que a conduzia, também morreu. Uma assessora escapou sem ferimentos,

Quem matou Marielle e Anderson? Quem mandou matar Marielle e por quê? Com que arma ela foi morta? São perguntas para as quais a polícia ainda não tem respostas. Existe um delator que contou saber de tudo. Existem suspeitos presos. E por ora é só.

Faltam provas materiais de que ela foi de fato morta pelos suspeitos delatados. Faltam provas de que ela foi morta por encomenda de milicianos e de um vereador porque Marielle prejudicava os negócios do crime organizado na Zona Oeste da cidade.

Nem mesmo está certo que a arma usada na execução possa ter sido, como se investiga, uma submetralhadora alemã de precisão HK MP5, com calibre de 9 milímetros, capaz de disparar 13 tiros por segundo. Só as forças especiais da polícia a utilizam.

Foi descartada a hipótese de que Marielle tenha sido morta por balas compradas pelo Exército e desviadas de um lote remetido a João Pessoa para uso da Polícia Federal. Dali, parte do lote teria ido parar em outras praças. Depois, perdeu-se o destino das balas.

O governo sequer sabe quantos crimes com mortes são cometidos no Brasil. Considerando-se apenas os assassinatos, no ano passado apenas 6% deles foram solucionados. No Reino Unido, o percentual é de 90%. Na França, 80%. Nos Estados Unidos, 65%.

O Instituto Sou da Paz pediu às Secretarias de Segurança Pública de todos os Estados informações sobre homicídios esclarecidos em 2017. Apenas seis atenderam ao pedido. O percentual de casos dados como resolvidos em São Paulo foi de 38%. No Rio, 11,8%.

A literatura policial prova à farta que não existe crime perfeito, existe crime mal investigado. O assassinato de Marielle e de Anderson poderá ser mais um.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Social Democrata

    Do que vai adiantar? Trará ela de volta?

    Curtir

  2. Paulo Bandarra

    Ora, este é o pequeno preço a se pagar por sermos civilizados.

    Curtir

  3. ViP Berbigao

    SD, c eh 1 b.stao…

    Curtir

  4. gilson schnaider

    Um profissional com ajuda da asesora, menos uma esquer dopata

    Curtir

  5. Castro Neves

    Bem, deixa eu ver se eu entendi: “Aqui” diz que não se tem informações precisas ao que tange da forma que foi planejado; os envolvidos; etc… Agora se tem até o tipo de armamento empregado? informa “aqui” que a “”submetralhadora alemã de precisão HK MP5, com calibre de 9 milímetros, capaz de disparar 13 tiros por segundo. Só as forças especiais da polícia a utilizam”” poderia ter sindo empregada, massss “se diz” que as munições de um lote remetido a João Pessoa para uso da Polícia Federal que foram “roubadas” e, com prisões, foram constatadas que parte delas estavam com traficantes do Rio de Janeiro (boa parte do Complexo da Maré); isso foi “descartado”…. Ahhhhhh, entendi !!!

    Curtir

  6. Syllas Valadao W

    Noblad, vai catar coquinho na roça. Vc é um péssimo jornalista.

    Curtir