Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Eleições nos EUA e o Brasil (Por Raul Jungmann)

É de se esperar de um eventual governo Biden uma relação fria

Por Raul Jungmann Atualizado em 30 jul 2020, 18h49 - Publicado em 11 jul 2020, 10h00

Joseph Robinette – “Joe” Biden Jr -, foi senador democrata por 36 anos pelo seu estado natal, Delaware, o sexto mais jovem a chegar ao Senado dos Estados Unidos, e um dos que registram menor patrimônio pessoal. Sua área de atuação abrange os temas das Relações Internacionais, Meio Ambiente, Segurança Pública e Justiça. Foi durante anos presidente da poderosa Comissão de Relações Exteriores e também de Justiça.

Nessa última, presidiu sessões de ampla cobertura, como a indicação de Clearence Thomas à Suprema Corte, em 1991 que, confuso com as prolixas perguntas de Biden, acusou-o de lhe atirar “beanballs” – bolas venenosas, na gíria do beisebol. Hoje, Joe Biden está 14 pontos à frente de Donald Trump em pesquisas de opinião e em números de votos para o colégio eleitoral, que é o que conta nos EUA.

Se ganhar, escreve a pergunta sobre os reflexos no Brasil da sua vitória. As três últimas declarações dele sobre o país foram negativas, indicando que tão cedo os democratas esquecerão o apoio do Presidente Jair Bolsonaro a Trump e a suas políticas. Como em Washington é tido como provável que os democratas venham a controlar o Senado, além da Câmara, e que Biden buscará alinhar-se com o Congresso em política externa e comercial, a vida do atual governo brasileiro não será fácil.

Exemplo disso, a poderosa comissão Ways and Means da Câmara adotou resolução exortando o Executivo americano a não firmar nenhum acordo de livre comércio com o Brasil. Se esse ano e meio de total alinhamento do atual governo com Trump não nos rendeu nada em termos de acordos, investimentos e facilidades na área comercial – o Brasil é o país que mais tem contribuído para o superávit comercial dos EUA, segundo o jornal Valor -, uma eventual vitória democrata certamente não reverterá esse quadro.

No plano global, Joe Biden deverá seguir posições democratas que se opõem às da “alt-right” republicana. Busca de uma melhoria nas relações com a Rússia, idem China. É provável um relativo distanciamento das atuais posições de Israel e uma maior aproximação com os árabes e apoio ao processo de paz baseado na solução de dois estados. Relançamento do multilateralismo, menor interesse na América Latina e retorno a formas de pressão diplomática sobre a Venezuela, porém sem abrir mão de sanções.

No caso do Brasil, é de se esperar do governo Biden uma relação fria, “stand still, renovada pressão sobre o desmatamento da Amazônia e direitos humanos. Tudo, ou quase, na contramão da atual política externa comandada pelo Itamarati e respaldada pelo governo Bolsonaro.

 

Raul Jungmann foi ministro da Defesa e ministro Extraordinário da Segurança Pública do governo Michel Temer.

Continua após a publicidade
Publicidade