Clique e assine a partir de 9,90/mês
Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Cara da morte: a ficha dos terroristas do massacre da Páscoa

Dois dos monstros que mataram 359 pessoas eram irmãos, outra era casada com um deles e explodiu os filhos, mais um tinha doutorado

Por Vilma Gryzinski - 24 abr 2019, 06h55

É quase impossível resumir o horror que aconteceu no domingo de Páscoa no Sri Lanka num dos maiores atentados da história.

As explosões em locais fechados como igrejas e hotéis, com cargas de C4 e bolinhas de aço levadas em mochilas pelos suicidas, deixaram tantos corpos despedaçados que foi preciso abrir novos cemitérios.

Em áreas mais fechadas, como as ruas próximas à igreja de São Sebastião, muita gente morreu dentro de casa. Foram mais de cem vítimas nessa igreja, onde a cabeça do terrorista arrancada pela força da explosão acabou em cima de um dos bancos, com os olhos abertos.

Aos poucos, vão sendo descobertos os autores. Num clássico do jihadismo, eles deixaram um vídeo tenebroso onde fazem a encenação típica do Estado Islâmico, declarando–se mártires, numa inversão total da realidade.

Estão todos com roupas iguais e o rosto coberto, e usam nomes de guerra tradicionais (Abu, ou pai, alguma coisa). Menos o cabeça, Moulvi Zahran Hashim, já conhecido como pregador do ódio.

Filiado ao ISIS, o grupo se chama Tawid Jamaat Nacional. Tawid equivale a monoteísmo ou à unicidade de Deus, um dos princípios mais fundamentais do Islã e invocado frequentemente por jihadistas da linha sunita que acusam qualquer outra corrente de heresia. Jamaat é a comunidade ou assembleia dos fieis, englobando todos os muçulmanos.

Outros dois de cara coberta já foram identificados. Eram irmãos, nascidos numa família rica que transformaram em célula terrorista. Ilham Ibrahim e Inshaf registraram-se nos hotéis Shangri-La e Cinnamon, em Colombo. Explodiram-se na hora mais movimentada do café da manhã.

Um deles usou dados verdadeiros na ficha. A polícia procurou o endereço e, ao chegar, a mulher do terrorista também se suicidou. Levou os dois filhos junto na explosão, além de três policiais. Mais de vinte membros da família, que sabiam dos atentados, foram presos.

Continua após a publicidade

O tipo de ideologia doentia que produz uma abominação assim já é bem conhecido, especialmente depois do Onze de Setembro nos Estados Unidos.

O perfil de alguns dos terroristas fanáticos também coincide: homens entre 20 e 30 anos, com um bom nível de vida e de instrução. Alguns eram formados em direito, segundo autoridades do Sri Lanka. Um dos terroristas fez faculdade no Reino Unido e pós-graduação na Austrália.

O grupo terrorista planejava uma segunda onda de ataques. O clima de medo persiste. Os parentes que vão enterrar seus mortos são revistados para entrar nos cemitérios. Os padres avisam para não demorar muito, por receio de novas explosões.

Os católicos são cerca de 7% da população. Como as outras minorias, hinduístas e muçulmanos, são da etnia tamil. Muitos têm nomes ou sobrenomes portugueses, como na Índia, remontando à colonização original.

As reformas recentes na Igreja não fazem muito sucesso no Sri Lanka, como é comum em países onde a religião minoritária se apega a tradições como forma de identidade e sobrevivência.

Os padres usam batina branca e faixa preta, as missas solenes, como a de Páscoa, duram duas horas, os fieis fazem o sinal da cruz com as três persignações e o arcebispo de Colombo, cardeal Malcolm Ranjith, pediu punição sem piedade para os terroristas, “porque só animais fazem uma coisa dessas”.

Depois, se retratou: “Não quero denegrir os animais, essa gente é pior do que eles”. Disse que os cúmplices mereceriam prisão perpétua e que os terroristas não deviam ser considerados muçulmanos.

Esse é um argumento frequente, enfraquecido pelo silêncio estrondoso de autoridades muçulmanas sobre o atentado, ao contrário da condenação unânime ao bárbaro ataque contra duas mesquitas na Nova Zelândia.

O papa Francisco pediu ajuda para as vítimas, mas ainda não havia telefonado ao arcebispo de Colombo.

Continua após a publicidade
Publicidade