Clique e assine a partir de 8,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Criação da CPMF terá resistência de empresários e parlamentares

Se conseguir passar pelo Congresso, o antipático imposto pode ser um peso eleitoral sobre Bolsonaro em 2022

Por Matheus Leitão - Atualizado em 25 set 2020, 12h00 - Publicado em 23 set 2020, 12h17

A recriação de uma espécie de CPMF provocará reação contra o governo entre empresários. É que o mundo empresarial está dividido. Existem os bolsonaristas-raiz, dispostos até a financiar compra de rádio para divulgar as mensagens do presidente, mas há os que já desembarcaram o apoio ao governo por vários dissabores nesses um ano e nove meses de gestão. 

A criação dessa CPMF, ou imposto digital, como informou a coluna Radar Econômico, certamente aumentará essa rejeição. O “novo velho” imposto tem a antipatia de nove em cada dez economistas, que afirmam que o tributo é considerado distorsivo, regressivo e cumulativo. Em outras palavras: desvirtua os preços, pesa relativamente mais sobre os pobres, e, por ser cobrado em todas as transações, acumula-se e acaba ficando muito alto. 

ASSINE VEJA

A vez das escolas Leia esta semana em VEJA: os desafios da retomada das aulas nas escolas brasileiras. E mais: Queiroz vai assumir toda a responsabilidade por ‘rachadinha’
Clique e Assine

Quem tem explicado esse efeito com maestria aqui em VEJA é o ex-ministro Mailson da Nóbrega. O presidente Jair Bolsonaro já falou várias vezes que não criaria imposto, mas se ceder… isso lhe será cobrado em 2022. O efeito imediato é ter contra si muita gente do setor produtivo, oposição entre economistas, e parlamentares que já se posicionaram contra, inclusive o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. 

Segundo o Radar Econômico, o ministro da Economia, Paulo Guedes, apresentou as contas para o presidente, apontando ser a melhor saída para a reforma tributária. Sem o dito cujo, teria de haver outras manobras para desonerar a folha de pagamentos, como a taxação de dividendos. O novo imposto subsidiaria a desoneração de alguns setores e das igrejas, desejo antigo de Bolsonaro.

Já a afirmação de que será um imposto para “transações digitais” é uma forma de dar ar de modernidade a um imposto velho, e que não deixou saudades. A verdade é que incidirá sobre todos os pagamentos e todas as transações, digitais ou analógicas que ocorrerem na economia. Será mais amplo e mais pesado do que o velho imposto do cheque, a antiga e ultrapassada CPMF.

Continua após a publicidade
Publicidade