Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O dia em que Lula perguntou se Moro era imparcial – e a resposta do juiz

Em setembro de 2017, no segundo depoimento prestado na Lava Jato, ex-presidente quebrou o protocolo para questionar o então magistrado sobre sua isenção

No dia 13 de setembro de 2017, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva encontrou-se com seu algoz, o então juiz Sergio Moro, pela segunda vez para depoimento relativo a um processo da Operação Lava Jato no qual o petista era réu. O primeiro havia sido em 24 de maio daquele mesmo ano, no caso do tríplex do Guarujá, que acabou levando o petista à prisão.

O segundo encontro, com Lula ainda livre, era sobre as suspeitas envolvendo um apartamento em São Bernardo do Campo – vizinho ao de Lula – e um terreno em São Paulo que seria direcionado para o Instituto Lula. Nos dois casos, a suspeita era a de que os imóveis haviam sido doados ao petista pela Odebrecht.

Ao final do depoimento, Lula pediu autorização para fazer uma pergunta a Moro, o que é inusual em uma audiência – um réu fazer um questionamento ao juiz. Mas Moro concordou e o petista foi direto: questionou se o magistrado seria imparcial em relação ao processo dele.

A tese de que Moro foi parcial sempre esteve entre os principais argumentos da defesa de Lula, mas a suspeita ganhou corpo após o vazamento, pelo site The Intercept Brasil, de diálogos entre o então juiz e Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, em que Moro orienta operações, sugere testemunha contra o petista e até pede para que o Ministério Público Federal emita nota questionando o “showzinho” da defesa no primeiro depoimento.

Relembre o diálogo entre Lula e Moro:

Lula: Doutor, eu sei que o senhor deve estar cansado, deve ter outras audiências, mas eu não posso deixar de dizer que esse processo contra mim fizeram com que vocês virassem reféns da imprensa. E vou terminar fazendo uma pergunta para o senhor, doutor.

Moro: Hum…

Lula: Eu vou chegar em casa amanhã, vou almoçar com oito netos e uma bisneta de 6 meses. Eu posso olhar na cara dos meus filhos e dizer que eu vim a Curitiba prestar depoimento a um juiz imparcial?

Moro: Bem, primeiro não cabe ao senhor fazer esse tipo de pergunta para mim, mas de todo modo, sim.

Lula: Porque não foi o procedimento na outra ação, doutor (a do tríplex).

Moro: Eu não vou discutir a outra ação com o senhor, senhor ex-presidente, se nós fôssemos discutir aqui, a minha convicção foi que o senhor é culpado. Não vou discutir aquele processo aqui, o senhor está discutindo lá no Tribunal (TRF4), e apresente suas razões no Tribunal, certo? Se o senhor for discutir aqui não seria bom para o senhor.

Lula: É, mas é porque nós temos que discutir aqui.

Moro: Eu vou interromper aqui a gravação, certo.

Lula: Eu vou continuar esperando que a justiça faça justiça nesse país.

Moro: Perfeito. Pode interromper a gravação

 

Conheça os detalhes da história de Sergio Moro no podcast Funcionário da Semana:

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Caio Carneiro

    Seguindo a lógica do jornalista, o Ministério Público deveria reclamar: o juiz orientou o réu a como melhor se defender.

    Curtir