Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Após falar em ‘indolência’ do índio, Mourão se declara indígena ao TSE

Informação aparece em registro de candidatura junto à Justiça Eleitoral, divulgado nesta terça-feira

Por Da Redação Atualizado em 14 ago 2018, 20h04 - Publicado em 14 ago 2018, 19h38

Depois de dizer que o brasileiro herdou a “indolência” do índio, o general da reserva Hamilton Mourão (PRTB), candidato a vice-presidente na chapa encabeçada por Jair Bolsonaro (PSL), declarou-se indígena no registro de sua candidatura no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – veja abaixo. As informações foram divulgadas nesta terça-feira, 14, penúltimo dia de prazo para candidatos se registrarem junto à Justiça Eleitoral.

Reprodução/TSE

“Temos uma certa herança da indolência, que vem da cultura indígena. Eu sou indígena. Meu pai é amazonense”, declarou Mourão na última quarta-feira, 8, em um evento na Câmara de Indústria e Comércio de Caxias do Sul (RS), cidade da Serra Gaúcha. Ele ainda afirmou, descrevendo o que entende como “nosso caldinho cultural”, que a “malandragem é oriunda do africano” e que a “herança do privilégio é uma herança ibérica”

Na tentativa de justificar a declaração racista do companheiro de chapa, Bolsonaro disse, confundindo “indolência” com “indulgência”, que Mourão se referia à “capacidade de perdoar” dos índios. “É a capacidade de perdoar? O índio perdoa”, declarou o presidenciável.

Publicidade