Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

À venda, sítio que levou Lula à condenação não tem propostas de compra

Empresário Fernando Bittar diz que até agora só houve 'especulações' sobre a propriedade em Atibaia, avaliada em 1,7 milhão de reais

Por João Pedroso de Campos - Atualizado em 9 jan 2020, 08h26 - Publicado em 9 jan 2020, 08h15

À venda, o sítio em Atibaia que levou à condenação do ex-presidente Lula pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato ainda não despertou interesse de compradores. Iniciado em abril de 2019, o processo de venda da propriedade havia sido suspenso no início de setembro para aguardar propostas e foi reativado em dezembro, mas, até agora, nada de ofertas.

“Até o momento, nenhuma proposta de compra do Sítio Santa Bárbara foi feita, apenas especulações, estando a questão, portanto, ainda em aberto”, informou à Justiça Federal do Paraná na última terça-feira 7 o empresário Fernando Bittar, dono formal da propriedade, avaliada judicialmente em 1,7 milhão de reais. Ele diz aguardar uma “proposta firme de compra” pelo sítio para que possa passá-lo para frente e depositar o valor em uma conta indicada pela Justiça.

Certamente não ajuda na venda da propriedade uma observação feita em agosto pelo avaliador judicial, que demonstra a necessidade de possíveis interessados gastarem mais dinheiro para deixar o sítio nos trinques, como na época em que as empreiteiras Odebrecht e OAS o reformaram e a família Lula da Silva o frequentava assiduamente: “Urge anotar que as construções, em sua maior parte, encontram-se em estado de abandono, com vários pontos de infiltração e rachaduras nas paredes, bem como necessitando a restauração na maior parte do madeiramento e troca de pisos em determinados locais pontuais”.

Publicidade