Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Câncer de mama: por que o “outubro rosa” precisa ser maior

Tratar a doença é importante, mas os profissionais de saúde precisam estar atentos ao sofrimento emocional provocado pelo câncer

Talvez pouca gente saiba que 30% das mulheres que têm diagnóstico de câncer de mama podem evoluir para a doença metastática, ou seja, presença do câncer em outros órgãos, além de sua origem. Outras 35% já descobrem nesse estágio afinal, moramos no Brasil e as coisas não são rápidas e nem fáceis por aqui. Embora ninguém tenha nada contra milagres, para todas essas mulheres a cura é um assunto que não está na pauta do dia a dia.

Mulheres fortes, corajosas, intensas, que trabalham, criam filhos, cuidam da família, sofrem por tanto e tudo e ainda fazem quimioterapia. E se sentem felizes a cada vez que vão ao médico e recebem a notícia que vão continuar a fazer tratamento.

Elas sofrem. Um sofrimento em todas as dimensões que até hoje está sendo silenciado. Mas que agora precisa ser atendido. A cura não está ao alcance de todas, mas o alívio de seu sofrimento precisa estar.

Muito é investimento em drogas e aparelhos, mas quase nada é investido em humanidade. Compaixão somada ao conhecimento sobre tratamento da dor e de outros sintomas devem dar mais vida aos anos e também mais anos de vida.

Todas as mulheres que têm uma doença incurável têm também uma história bonita pra contar pra quem quiser ouvir. Sobre a vida que já foi e sobre o resto de vida que há de vir. Não se sabe quanto tempo cabe no tempo que resta. Mas temos certeza de que de janeiro a janeiro todas elas merecem ter quem acolha seu sofrimento por não ter todo o tempo que gostariam de ter.

Prevenir doenças é urgente. Diagnosticar precocemente é importante. Mas olhar nos olhos de quem está doente é absolutamente fundamental.

Queremos que neste Outubro Rosa, e em todos os meses do ano da vida de todos que enfrentam o câncer seja tempo de conscientização sobre tratar e prevenir o sofrimento. A dor, o medo, a tristeza são esperadas, mas não é normal sofrer.

 

 

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida

Eduardo Rauen, nutrólogo
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde, psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista

Marcelo Bendhack, urologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Roberto Kalil, cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s