Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Os líderes de Bolsonaro no Congresso estão atordoados

No Senado, indiciamento policial por corrupção e lavagem de dinheiro, na Câmara ameaça de desobediência a sentenças judiciais

Por José Casado Atualizado em 9 jun 2021, 20h04 - Publicado em 9 jun 2021, 09h30

Os líderes de Jair Bolsonaro no Congresso estão atordoados.

Ontem pela manhã, o líder no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), foi indiciado pela Polícia Federal sob acusações de crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e falsidade ideológica eleitoral.

A polícia informou ao Supremo Tribunal Federal que o senador e seu filho, deputado federal homônimo, também do MDB pernambucano, receberam subornos de R$ 10 milhões de empreiteiras quando Fernando pai foi ministro da Integração Nacional no governo Dilma Rousseff.

À tarde, o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), aproveitou um evento do jornal O Globo e usou a ordem judicial  sobre o adiamento do Censo — para 2022 como queria o governo —, e  desenhou uma crise institucional no horizonte: Executivo e Legislativo unidos em confronto com o Judiciário — ele especulou.

“O Judiciário vai ter que se acomodar nesse avançar nas prerrogativas do Executivo e Legislativo”, ameaçou o líder do governo na Câmara, acrescentando: “Vai chegar uma hora em que vamos dizer [ao Judiciário] que simplesmente não vamos cumprir mais [as sentenças judiciais]. Vocês cuidam dos seus que eu cuido do nosso, não dá mais para simplesmente cumprir as decisões porque elas não têm nenhum fundamento, nenhum sentido, nenhum senso prático.”

LEIA TAMBÉM: PF usou celular para mapear entregas de propina a líder de Bolsonaro

Expoente do Centrão, Barros enfrenta dificuldades com a polícia e o Judiciário, similares à do senador Bezerra Coelho.

O presidente do Supremo, Luiz Fux, se permitiu um lacônico comentário: “O respeito às decisões judiciais é pressuposto do estado democrático de direito”. Não se demonstrou preocupação com a ameaça de desobediência civil do líder do governo na Câmara. Mas todos os juízes do STF registraram.

Continua após a publicidade
Publicidade