Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
José Casado Por José Casado Informação e análise

Aumenta o custo eleitoral de Bolsonaro

O Banco Central adverte: "É impossível “fazer um trabalho de segurar as expectativas [sobre a inflação] com o [quadro] fiscal descontrolado"

Por José Casado Atualizado em 14 ago 2021, 03h19 - Publicado em 14 ago 2021, 10h00

Ficou ruim para os negócios, difícil até para especulação. De passagem por Vitória, ontem, o presidente do Banco Central disse aquilo que no mercado financeiro todos sempre souberam, mas preferiam não admitir: juros altos não seguram a inflação quando é crescente o desequilíbrio nas contas públicas.

“É impossível para qualquer banco central do mundo”, reconheceu Roberto Campos Neto, “fazer um trabalho de segurar as expectativas [sobre a inflação] com o [quadro] fiscal descontrolado.”

Acrescentou: “De uns tempos para cá, com algumas notícias como o tema do precatório, o tema de qual vai ser o novo programa Bolsa Família, incentivos [fiscais] para setores específicos, esses temas geraram um ruído no mundo financeiro.”

Desde a eleição em 2018, Bolsonaro e empresas financeiras mantiveram uma amizade colorida pelo azul dos lucros. A inflação, o desemprego e o endividamento familiar em alta persistente sinalizam o fim de capítulo de ilusões mútuas. As palavras do chefe do BC, os indicadores e os manifestos empresariais, indicam que isso acabou. Prevê-se uma temporada de turbulências, fomentada pelos custos políticos e fiscais crescentes da reeleição.

Continua após a publicidade
Publicidade