Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
José Casado Por José Casado Informação e análise

A utilidade de Bolsonaro para o Centrão e a oposição

O interessado desinteresse no impeachment não é exclusividade do Centrão. Permeia os atos oposicionistas de todos os matizes

Por José Casado Atualizado em 25 jun 2021, 10h09 - Publicado em 25 jun 2021, 09h00

Vem aí mais um pedido de impeachment de Jair Bolsonaro. É um campeão entre presidentes, já ultrapassou a marca dos 110 em 29 meses de mandato e avança para completar o dobro de Dilma Rousseff (PT), que ajudou a depor outono de cinco anos atrás.

Está previsto para ser apresentado na Câmara na quarta-feira, com aval de pelo menos nove partidos.

É novo sintoma de febre antiga numa república que, nos últimos 32 anos, já derrubou dois presidentes eleitos (Fernando Collor e Dilma) e assistiu outro (Michel Temer) escapar da cassação em três votações sucessivas — uma na Justiça Eleitoral e duas no plenário da Câmara.

Com Bolsonaro, os termômetros tradicionais se mostram insuficientes para captar a elevação da temperatura política.

Pesquisa Ipec, junho 2021
Ipec/G1.com/VEJA

As pesquisas se diferenciam na metodologia, mas todas apontam numa mesma direção: sete em cada dez eleitores dizem não confiar no presidente, cerca de 60% desaprova a maneira como administra o país e metade mantém a expectativa de que o restante do mandato dele deverá oscilar entre ruim e péssimo.

O presidente-candidato se mantém como fenômeno eleitoral. Se elegeu em 2018 com 58 milhões de votos, 55,1% dos válidos.

Bolsonaro continua sendo um prodígio político, agora com sinal trocado.

Seis de cada dez eleitores (exatos 62%) declaram que não votariam nele de jeito nenhum (eram 56% há quatro meses), de acordo com pesquisa do Instituto Ipec divulgada ontem à noite.

Em política, a ressurreição é sempre possível, mas requer habilidade e alguma sensatez — mercadorias escassas no Palácio do Planalto, onde a opção preferencial é pelo confronto permanente e, contrariando os manuais de estratégia produzidos nos últimos dois mil anos, sem preocupação com a linha de retirada.

Pesquisa XP/Ipespe, junho 2021
XP/Ipespe/VEJA

O novo pedido de impeachment é apenas novo reflexo da convulsão de um país com mais de 500 mil mortos no descontrole da pandemia, renda mais concentrada, pobreza avançando e pobres em idade economicamente ativa sem alternativa de atividade produtiva.

Continua após a publicidade

A tendência é que vá para a gaveta do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). Ele tem o “poder monocrático”, lembra o cientista político Sergio Abranches, amparado numa legislação de 1950 (Lei do Impeachment) que todos no Legislativo se recusam a mudar.

Além disso, não há noção de tempo estabelecida na Constituição para que a Presidência da Câmara avalie um processo de impeachment,  como estabeleceu o juiz Kassio Nunes Marques, do Supremo, no início de maio.

Pesquisa XP/Ipespe, junho de 2021
Pesquisa XP/Ipespe/VEJA

Horas depois dessa sentença, o deputado Lira promoveu uma cerimônia do adeus privada para uma centena de pedidos de impeachment de Bolsonaro.

Por coincidência, anunciou o descarte da papelada na gaveta, herdada do antecessor Rodrigo Maia com alguns acréscimos, depois que o Diário oficial estampou a sanção presidencial ao Orçamento de 2021, com R$ 20 bilhões reservados aos líderes do Centrão, o agrupamento parlamentar que elegeu e sustenta Lira no comando da Câmara.

O interessado desinteresse no impeachment não é exclusividade do Centrão. Permeia os atos oposicionistas de todos os matizes.

Pesquisa XP/Ipespe, junho de 2021
Pesquisa XP/Ipespe/VEJA

Na vida real, hoje Bolsonaro é a melhor mercadoria política na praça, para quem vive do governo ou está na oposição.

Se para o Centrão é fonte de custeio dos mais diversos projetos, mesmo conflitantes nos partidos, nos Estados e Municípios, para oposicionistas ele é o adversário dos sonhos eleitorais.

LEIA TAMBÉM: É hora de votar o impeachment

Carrega o peso de mais de 500 mil vítimas do próprio descontrole na pandemia, governa uma economia combalida com 14 milhões de desempregados e quatro vezes mais desalentados, está com rejeição recorde e é diagnosticado com pouca chance de recuperação, pelo menos enquanto durar a CPI da Pandemia no Senado.

Hoje, Bolsonaro parece mais útil a todos arrastando correntes dentro do Planalto, pelos parâmetros do cinismo político dominante. Amanhã é outro dia — e como diz o economista Eduardo Gianetti da Fonseca, o centro de gravidade do Brasil é o futuro.

Continua após a publicidade
Publicidade