Clique e assine com até 92% de desconto
Impacto Por Jennifer Ann Thomas Respirou, causou. Toda e qualquer ação transforma o mundo ao nosso redor.

‘Cosmos’ ganha nova temporada e ressalta a importância da ciência

Original dos anos 80, a série se dedica a explorar os efeitos da ocupação humana e os mundos possíveis de um futuro próximo

Por Jennifer Ann Thomas Atualizado em 5 jun 2020, 13h31 - Publicado em 5 jun 2020, 06h00

“Se você deseja fazer uma torta de maçã do zero, deve primeiro inventar o universo.” Dita pelo astrofísico americano Carl Sagan (1934-1996) na série Cosmos, em 1980, a frase traduz a ideia do célebre programa de TV apresentado por ele. Para transformar a ciência em um assunto instigante e palatável é preciso provar que tudo e todos estão conectados, de alguma forma. Uma simples torta de maçã deriva de conhecimentos químicos, da criação da agricultura e da pecuária, da descoberta do fogo… E assim por diante. Seguindo a mesma paixão por ligar os pontos de investigações infindáveis, o astrofísico Neil deGrasse Tyson assumiu a segunda temporada da série em 2014, e agora retorna para uma terceira leva de episódios, disponíveis a partir do sábado 6, no canal pago National Geographic, às 22h30.

+ Compre o livro Cosmos, de Carl Sagan
+ Compre o livro Pálido Ponto Azul, de Carls Sagan

Quatro décadas depois da estreia com Carl Sagan, a série se faz ainda mais urgente ao retornar não só em meio a uma pandemia mas também em um período que o conhecimento é constantemente desmerecido por autoridades mundiais (com uma grande contribuição brasileira nesse aspecto). “A Covid-19 revelou de forma direta e dolorosa quanto somos dependentes da ciência”, disse a VEJA Ann Druyan, viúva de Sagan e criadora da série. A terceira temporada, batizada de Cosmos: Mundos Possíveis, expõe como o homem impactou na extinção de outras espécies e na degradação do meio ambiente. Para Ann, porém, a ideia não é causar pânico, mas promover o aprendizado: “Queremos mostrar um futuro pelo qual vale a pena lutar”.

ASSINE VEJA

Os riscos da escalada de tensão política para a democracia Leia nesta edição: como a crise fragiliza as instituições, os exemplos dos países que começam a sair do isolamento e a batalha judicial da família Weintraub
Clique e Assine

+ Compre o livro O Mundo Assombrado pelos Demonios, de Carl Sagan

Com recursos de animação e trilha sonora digna de Star Wars, a produção prende de forma eficiente o espectador afeito à ficção científica. O episódio inaugural propõe uma viagem que vai do encontro entre dois buracos negros à formação do DNA, passando pela extinção dos dinossauros até o desenvolvimento das sociedades, incluindo a relação do homem com a religião. Um personagem se destaca: Baruch Spinoza (1632-1677), que defendeu a separação entre o Estado e a Igreja e dizia que Deus se manifestava na natureza. “A ciência é o melhor caminho para a humildade e, por sua vez, para a espiritualidade. Ela nos obriga a admitir a nossa ignorância”, afirma Ann. A jornada ao cosmos é também uma viagem pessoal.

Publicado em VEJA de 10 de junho de 2020, edição nº 2690

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR


Cosmos, de Carl Sagan

Pálido Ponto Azul, de Carls Sagan

O Mundo Assombrado pelos Demonios, de Carl Sagan

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade