Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Consensos sobre como alfabetizar

As notas abaixo resumem como estão as políticas e recomendações sobre o tema. Afinal, o que pode ser feito para avançar a alfabetização no Brasil?

Nos dias 14 e 15 de maio participei da 5ª Jornada de Alfabetização promovida por um grupo de estudiosos do tema liderados por pesquisadores da UFRN e da UFRGS.

As notas abaixo resumem o estágio em que se encontram as políticas e recomendações sobre o tema:

• Desde a pré-escola é preciso ensinar o princípio alfabético e ajudar os alunos a adquirir a capacidade de analisar as palavras (oralmente) para nelas identificar seus componentes fonológicos, as sílabas e, depois, os fonemas.

• As atividades orais que ajudam a tomar consciência dos fonemas, isto é, desenvolver a consciência fonêmica devem ser associadas a atividades escritas e de pronúncia das palavras.

• O estudo das correspondências grafema/fonema deve começar desde a pré-escola. Nos dois primeiros meses é preciso apresentar aos alunos pelo menos 12 a 15 correspondências, incluindo as vogais, para que eles possam começar a decodificar com autonomia.

• É preciso usar textos em que pelo menos 50% das palavras sejam decodificáveis, ou seja, correspondam aos grafemas já estudados.

• É preciso fazer exercícios regulares de escrita, de preferência na forma de ditados.

• É preciso fazer os alunos lerem em voz alta.

• A análise fonológica e o estudo das correspondências grafema/fonema devem continuar enquanto o aluno demonstrar dificuldade de ler as palavras – independentemente da série escolar.

Um detalhe: esta lista se refere ao nível de consenso de especialistas e professores na França e foram retiradas do site do Ministério da Educação daquele país. Ela foi apresentada no referido seminário por Jean-Emile Gombert. Em 2003, Gombert, junto outros pesquisadores, participou da elaboração de um relatório com recomendações que apresentam os princípios gerais que fundamentam essas práticas, e que foram apresentadas em Brasília, na Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados. Não é por falta de evidências, conhecimento, experiências exitosas ou de informação que a alfabetização não avança no Brasil.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s