Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Publicidade
Educação em evidência Por João Batista Oliveira O que as evidências mostram sobre o que funciona de fato na área de Educação? O autor conta com a participação dos leitores para enriquecer esse debate.
Grande abstenção registrada este ano, não obstante a epidemia, é mais um motivo para que se repense o nosso processo de seleção para a universidade.
O que esperar dos prefeitos que assumiram o mandato neste 1º de janeiro na área de Educação? Que perguntas devem ser feitas a eles?
As desigualdades raciais são o tema do primeiro de uma série de posts sobre Covid e a volta às aulas. Não há saídas simples, e muito menos, simplistas.
Estudos mostram que avanços do Brasil no PISA se devem muito mais à mudança no perfil dos alunos que fazem a prova do que a melhorias na área de educação.
Que espaço há para a atuação dos novos prefeitos na área de Educação? Quais são os desafios? Quais são as prioridades? Por onde começar?
Por que não utilizar as evidências robustas na área de Educação, em vez de acenar para soluções genéricas, para "modelos" sem comprovação?
Hoje é mais comum vermos discursos escritos para serem lidos, não para serem ouvidos. Não têm o mesmo sabor. A maioria deles não tem qualquer sabor.
O país não tem uma política da alfabetização. Estados, municípios, Faculdades e ONGs ainda hesitam em aceitar a evidência científica e suas implicações.
Estudo trata dos custos, do retorno econômico para os alunos e da contribuição econômica e social dessa reconhecida instituição à sociedade. 
Programa Alfa e Beto na TV é resposta ao desafio de colocar no ar, em plena pandemia, 95 episódios de Língua Portuguesa (Alfabetização) e 95 de Matemática.
O programa Alfa e Beto na TV surge no contexto da pandemia. Ficará no ar, em canal aberto, entre o dia 26 outubro de 2020 e fevereiro de 2021.
Dados o elevado custo de manter duas redes de ensino na mesma cidade e a ineficiência que isso gera, parece sensato avançar na direção da municipalização.
Se continuarmos no ritmo atual de avanços na educação, levaremos pelo menos 40 anos para chegar onde os países da OCDE se encontram hoje
Estados com melhor desempenho em 2019 são os mesmos que já tinham melhor desempenho em 2005, à exceção do Ceará.
A desigualdade na educação brasileira existe e é forte. Mas ela não explica a mediocridade que caracteriza o sistema público de ensino.
Capital de Roraima mantém o 5º lugar dentre as capitais na Prova Brasil, mesmo enfrentando um crescimento vertiginoso do número de matrículas.
No 3º post da série sobre a Prova Brasil, chamo atenção para três dos melhores municípios do Brasil em educação: Coruripe (AL), Sobral (CE) e Teresina (PI)
Seria plausível esperar que a continuidade administrativa pudesse trazer bons resultados na Prova Brasil. Mas os dados não confirmam essa hipótese.
Nesta série de posts que começa hoje, compartilho com os leitores reflexões sobre os resultados da Prova Brasil, divulgados recentemente pelo MEC.
Numa série de posts que começa hoje, vamos levantar questões oportunas e interessantes para fomentar um debate qualificado sobre a educação brasileira
Publicidade