Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Os primeiros dias do governo Michel Temer foram discutidos no Roda Viva desta segunda-feira

Entre outros assuntos, os convidados debateram o rombo nas contas legado por Dilma Rousseff, a reforma da Previdência e as polêmicas sobre o novo ministério

O início do governo Michel Temer esteve no centro do Roda Viva desta segunda-feira. Repetindo o formato utilizado nos programas temáticos, a bancada foi formada por cinco debatedores, que discutiram os primeiros dias do substituto de Dilma Rousseff na Presidência da República. Entre os assuntos abordados ao longo de 90 minutos, destacaram-se o rombo nas contas legado pela presidente afastada pelo Senado, a reforma da Previdência, a configuração do ministério, as medidas de combate à crise econômica e a queda de Romero Jucá.

Participaram do debate Mara Gabrilli (deputada federal do PSDB paulista), Alexandre Schwartsman (economista e ex-diretor da área internacional do Banco Central), Flávio Galvão (ator), Paulo Frateschi (professor de Ciências Sociais e fundador do PT) e Gaudêncio Torquato (consultor político e professor de Comunicação Política da USP.

Confira abaixo afirmações feitas pelos cinco convidados do Roda Viva:

Mara Gabrilli:

“Toda essa corrupção começou em Santo André, e de forma agressiva, truculenta. Isso foi se ampliando e acabou perpetuado pelo PT”.

“Dilma Rousseff extinguiu a Secretaria Nacional da Pessoa com Deficiência em abril e pouco se falou sobre isso. Michel Temer teve o bom senso de recriá-la. Portanto, não é verdade dizer que o governo anterior se preocupava com o bem estar de toda a população. Hoje, quase 25% dos brasileiros têm algum tipo de deficiência. E uma criança chega a esperar, em média, cinco anos e meio para conseguir uma cadeira de rodas pelo SUS”.

Alexandre Schwartsman:

“O Brasil tem 5% da população com mais de 65 anos e gasta 13% do PIB com esta parcela. É o mesmo valor gasto por um país que tem 15% das pessoas nessa condição. Distorções desse tipo precisam ser corrigidas”.

“As despesas do governo não param de crescer. Não faz sentido aumentar impostos sem que melhore a qualidade dos serviços. Essa carga tributária sufoca o empresariado, mas quem paga a conta não são eles. São os 11% de desempregados”.

Flávio Galvão:

“O grande problema é que o Ministério da Cultura foi todo aparelhado pelo PT. Eu gostaria que o ministério fosse aparelhado não com nomeações sem concurso, mas com livros que faltam nas bibliotecas, com iluminação de qualidade nos teatros, com a preservação de monumentos históricos, bibliotecas, museus. O MinC gasta 83% do orçamento com despesas internas, não com atividades culturais”.

“Eu era PT até o fundo do meu coração. Fui ao Circo Voador cantar Lula lá, fiz campanha para o partido. E o PT me traiu. Eu me senti traído pelo que aconteceu neste país. Agora temos a oportunidade, com este governo, de iniciar uma nova vida. Espero que Michel Temer consiga driblar essa politicagem de terceira categoria e surpreender a todos. Sonho com um Brasil bom e decente”.

Paulo Frateschi:

“Esse governo interino, efêmero, acumulou algumas dificuldades nesses 10 dias para concretizar o golpe. Se eles têm 180 dias para cassar a Dilma no Senado, por que tanta pressa, tanta virulência contra as conquistas populares e democráticas? Um ministério com sete pessoas citadas na Lava Jato? Um líder do governo na câmara que é inclusive acusado de assassinato? Por que atacar a Previdência? Eles querem ser confiáveis para o mercado e estão pouco se lixando para o que acontece com os pobres, com os trabalhadores”

“A Dilma não sofreu um golpe por corrupção. Ela sofreu pelo que fez de bom para o povo. Houve uma reação da elite”.

Gaudêncio Torquato:

“O tempo é muito curto para se fazer a análise de um governo que encontrou um país com 11% de desempregados, 10% de inflação e déficit público de R$ 170 bilhões. Faço apenas uma primeira avaliação. Na área econômica foram convocados jogadores do primeiro time e deles se espera grandes soluções. A expectativa social é muito grande e há uma militância muito aguerrida por parte do PT, que vai às ruas cobrar a presença de mulheres e negros no ministério, mas esquece que o país foi administrado de maneira desastrada pelos governos do partido”.

“Eu acredito no novo governo. Michel Temer é professor de Direito Constitucional e sabe o que é golpe. Se tivesse havido  golpe, o Supremo Tribunal Federal seria golpista. Dos 11 ministros do STF, oito foram nomeados por Lula e por Dilma. Se fosse golpe, os 367 deputados que aprovaram o impeachment seriam golpistas, as instituições brasileiras seriam golpistas. Acredito piamente na Lava Jato e acho que nenhuma mão humana conseguirá desviar seu rumo. É preciso recuperar a bússola e o rumo de um país sem comando”.

Com ilustrações em tempo real do cartunista Paulo Caruso, o programa foi transmitido ao vivo pela TV Cultura.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Carlos E.

    Augusto, li a notícia de encaminhamento de PEC a respeito da mudança do “Impedimento”. Além do prazo de afastamento ser reduzido de 180 para 90 dias, nesse intervalo quem assumiria, segundo proposta, seria o Presidente do Supremo. A pergunta que eu faço é a seguinte: Vice pra quê????? Teria relevância somente se a(o) Presidente fosse afastado definitivamente???? Mas aí teríamos figuras ilustres dizendo que o “dito cujo(a)” não tem legitimidade. Acho que querem colocar a figura do Vice no limbo.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Ex-olavete

    Fazendo uma análise dos últimos acontecimentos políticos e sociais no Brasil, chego a uma conclusão: o Brasil não é mais o país do futuro. É o país do presente! Finalmente, amadurecemos. Desde o mais simples cidadão, até nossas elites. Nossas instituições, em todos os níveis, estão maduras. Podem apostar: estamos caminhando rapidamente para sermos uma das grandes potências econômicas e democráticas do planeta. Estou sendo REALISTA.

    Curtir

  3. Comentado por:

    wanda

    Augusto, bom dia. Sei que a ideia da presença de uma pessoa petista, no programa, traduz a isenção do debate, mas se tratando do Tema: os dez dias do governo Temer, foi perda de tempo pois esse Paulo Frateschi só vomitou o que eles sempre falam. Gostei do debate, Mara Gabrilli como sempre ótima, Flávio Glavão falando as verdades sobre o ministério da Cultura, Alexandre Schwartsman e Gaudêncio Torquato deram o tom da seriedade colocando o petista no seu devido lugar. Um abraço

    Curtir

  4. Comentado por:

    Adriano

    Augusto, foi bom o programa. Esse pessoal do PT parece que levou uma lavagem cerebral. Paulo Frateschi ´igualzinho aos radicais daqui.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Doraci Cirqueira

    Gosto muito da Mara Gabrilli mas citar o governo do Canada foi um grande erro. Mostra que ela nao conhece muito bem o tal do primeiro ministro Justin Trudeau. Um narcisista mussulmano radical. O Canada vai pro buraco com esse cara. Escreve ai.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Doraci Cirqueira

    Gosto muito da Mara Gabrilli mas citar o governo do Canada foi um grande erro. Mostra que ela nao conhece muito bem o tal do primeiro ministro Justin Trudeau. Um narcisista mussulmano radical.

    Curtir