Clique e assine a partir de 9,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Carlos Manhanelli, especialista em marketing político

Aos 54 anos, Carlos Manhanelli participou de 238 campanhas políticas. Presidente da Associação Brasileira dos Consultores Políticos, é autor de 11 livros sobre marketing e estratégias eleitorais. Na primeira parte desta entrevista dividida em três blocos, Manhanelli ensina que o debate eleitoral “não é arena, é passarela” ─ é preferível que os candidatos desfilem para […]

Por Augusto Nunes - Atualizado em 21 fev 2017, 09h47 - Publicado em 22 out 2010, 23h44

Aos 54 anos, Carlos Manhanelli participou de 238 campanhas políticas. Presidente da Associação Brasileira dos Consultores Políticos, é autor de 11 livros sobre marketing e estratégias eleitorais. Na primeira parte desta entrevista dividida em três blocos, Manhanelli ensina que o debate eleitoral “não é arena, é passarela” ─ é preferível que os candidatos desfilem para os telespectadores, “em vez de se digladiarem na TV”. Na segunda, discorre sobre a história do marketing político e relembra campanhas célebres, como a de Jânio Quadros, que, em 1960, inaugurou o uso da televisão na campanha política. Na terceira, analisa o trabalho dos marquetólogos ─ Manhanelli rejeita o nome marqueteiro ─ de José Serra e Dilma Rousseff. Colecionador de áudios e vídeos de campanhas eleitorais há 36 anos, o consultor político mostra qual é a estratégia adotada pelos dois candidatos no duelo do segundo turno.

Parte 1

http://videos.abril.com.br/veja/id/87b9ddb092f1776f4c4e79aad8cd7fdc?

Parte 2

http://videos.abril.com.br/veja/id/20ab15758091393220ef0ed59ad75535?

Parte 3

http://videos.abril.com.br/veja/id/0880773d4e66527a4981caf0cc3ccd98?

Publicidade