Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A despedida de Ronaldo: consumada a primeira morte, o Fenômeno tornou-se eterno

Numa crônica sobre a despedida de Ronaldo, o jornalista Juca Kfouri tabelou com dois craques para mostrar o que sente um boleiro na hora do adeus. “Só o jogador de futebol morre duas vezes”, devolveu Falcão de trivela. “Não é o jogador que abandona o futebol, é o futebol que abandona o jogador”, tocou Sócrates […]

Numa crônica sobre a despedida de Ronaldo, o jornalista Juca Kfouri tabelou com dois craques para mostrar o que sente um boleiro na hora do adeus. “Só o jogador de futebol morre duas vezes”, devolveu Falcão de trivela. “Não é o jogador que abandona o futebol, é o futebol que abandona o jogador”, tocou Sócrates de calcanhar. Doloroso para qualquer profissional, o encerramento da carreira é certamente muito mais angustiante para os gênios dos estádios.

É compreensível que a maioria prolongue além do aconselhável o tempo de permanência em campo: estão apenas adiando o momento da primeira morte, expressão usada por Ronaldo na entrevista em que oficializou a decisão de aposentar-se. Pelé, perfeito da primeira linha ao ponto final, foi um dos poucos a parar na hora exata. Foi para o vestiário antes que aparecesse algum sinal de que a bola já não estava tão apaixonada pelo Rei. Em contrapartida, Garrincha arrastou-se envelhecido por campos maltratados, simulando patéticas reprises do drible incomparável.

Ronaldo deveria ter-se despedido mais cedo? Isso agora é irrelevante. Como Pelé, como Garrincha, como todos os outros, o Fenômeno será sempre lembrado pelo que fez, não pelo que deixou de fazer. Pelos muitos gols que marcou, não pelos poucos que perdeu. Pelas arrancadas assombrosas, não por passadas mais lentas. Pelas três vezes em que foi eleito o melhor jogador do mundo, não pelos anos em que o trofeu contemplou outro craque.

Daqui a muitos anos, se alguém duvidar do que estaremos dizendo, basta exibir o vídeo que reúne, na seção História em Imagens, alguns dos grandes momentos do magnífico Ronaldo. Ele foi aquilo. Foi, é e será. Consumada a primeira morte, o Fenômeno tornou-se eterno.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    run, dont walk.

    Taí o Ronaldo enaltecido, cantado em versos e prosas. Photo da Veja, o cara há muito é manguaceiro (nada contra quando não engana os trouxas que pagam ingressos), ADORA um Gay, uma festinha, coisa e tak, todo mundo sabe, e depois chora, como o lulinha em inicio de carreira. dá licença que vou ler o meu Pato Donald.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Valentina de Botas

    Seu texto é muito tocante, Augusto. Como convencer a alma que deseja de que já não pode o corpo? Como se resignar com a luta desigual entre a Natureza, indiferente e soberana, e o indivíduo sempre vulnerável, ainda que fenomenal? Como consolar o eros tristonho que sucede aquele risonho dos instantes sublimes já eternizados? Não sei. Talvez Ronaldo possa se refugiar na certeza de que realizou todas as potencialidades que seu gênio impôs. Bateu-se por elas e não se abateu em situações dramáticas como aquela da contusão no joelho direito, em 2011, no jogo contra a Lazio. Uma cena chocante. É possível que superações de momentos tão agudos tenham lhe aprofundado a noção de como a vida – também a do craque – é curta, não havendo tempo para esperas e recuos. Com a carreira profissional bem assessorada e com maturidade, a difícil decisão de quando parar, como você decreta sabiamente, tornou-se irrelevante. Afinal, nada pode relevar ou revogar um fenômeno. Ronaldo fez o certo antes que sobreviesse a sempre triste morte – viveu e eternizou-se. Inclusive aqui, na Coluna, ela também fenomenal. Um beijo, Valentina.
    Um beijo, Valentina querida.

    Curtir