Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Steve Jobs suspende licença médica para apresentar iCloud

Site de armazenamento online será mostrado em conferência, na segunda-feira

O presidente da Apple, Steve Jobs, apresentará na segunda-feira o iCloud, site de armazenamento online de arquivos. Esta será a sua segunda aparição pública desde que tirou uma licença médica em janeiro por razões e período indeterminados.

Rompendo o hábito de cercar seus anúncios de mistério, a Apple antecipou que Jobs apresentará o iCloud durante a Conferência Mundial de Desenvolvedores de Software (WWDC) da companhia em San Francisco, na qual diversos novos produtos serão mostrados. “A Apple revelará sua nova geração de programas, Lion, oitava edição do sistema operacional Mac OS X, assim como o iOS 5, a última versão do sistema operacional para aparelhos móveis, como o tablet iPad e o iPhone”, informou a empresa em um comunicado.

Mas, principalmente, a companhia mostrará o iCloud, que apresenta apenas como uma oferta de serviços desmaterializados. “O iCloud não é mais que uma pequena linha no comunicado divulgado à imprensa”, disse Michael Gartenberg, analista da empresa para pesquisa em tecnologia Garter. “Mas é o que desperta maior interesse, porque não sabemos nada sobre o tema”, completou.

iCloud – De acordo com diversas fontes, o iCloud permitiria ouvir em ‘streaming’ a música armazenada em seus servidores, segundo o princípio da computação na nuvem – em que o usuário pode acessar seus dados de mais de um aparelho. Isto permitiria evitar que os internautas tenham que sincronizar seus tablets ou dispositivos com o disco rígido de um computador.

Segundo o jornal The New York Times, a Apple teria praticamente concluído as conversações com as principais gravadoras e teria fechado acordos com as principais lojas de CDs. Já o diário Los Angeles Times informou que o iCloud será, a princípio, oferecido de forma gratuita aos usuários do iTunes, a loja online da Apple. Posteriormente, será um serviço que custará 25 dólares por ano.

(Com Agência France-Presse)