Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Sergio Moro e petrolão são eleitos Personalidade e Fato do Ano na enquete VEJA-Twitter

Juiz responsável por levar à frente as investigações que trouxeram o escândalo à tona desbancaram outros 15 fatos e personalidades. Confira o resultado

Por Da Redação
27 dez 2014, 06h38

O ano de 2014 ficará marcado como aquele em que o Brasil foi apresentado ao petrolão, maior escândalo de corrupção história da República. Não à toa, o esquema – armado durante os governos do PT com o objetivo de financiar campanhas políticas e, de quebra, enriquecer bandidos do colarinho-branco – foi apontado como o acontecimento mais marcante do ano em enquete especial promovida por VEJA.com em parceria com o Twitter. Já o juiz federal Sérgio Moro, o homem por trás de cada decisão que levou empresários de sucesso para a cadeia na esteira do escândalo, foi eleito Personalidade do Ano.

A votação foi aberta em 11 de dezembro e encerrada na noite desta sexta-feira. Concorriam aos títulos de Personalidade e Fato do Ano, respectivamente, 16 pessoas e 16 acontecimentos indicados pelos editores de VEJA.com que marcaram o ano de 2014.

Foram computadas as mensagens publicadas no Twitter que continham, simultaneamente, o texto #VejaPersonalidade e o nome de um dos candidatos antecedido do símbolo hashtag – por exemplo: #SergioMoro. O mesmo valia para a votação do Fato do Ano, para a qual foram considerados tuítes contendo a hashtag #VejaFato acompanhado de um dos candidatos a evento mais marcante de 2014, como #EpidemiaDeEbola, em referência ao surto da doença que assustou o mundo.

Cada tuíte correspondia a um voto. Mais de 345.000 votos foram computados. Este foi o segundo ano da parceria entre VEJA e o Twitter. Em 2013 o atacante Neymar, do Barcelona e da seleção brasileira, foi eleito com mais de 13.000 dos 57.000 votos computados – ou 22% do total.

Consequências imprevisíveis – Descoberto a partir da Operação Lava Jato da Polícia Federal, o petrolão desviou pelo menos 10 bilhões de reais. As investigações sobre o esquema apresentaram o país ao lado obscuro do funcionamento das empreiteiras – um complexo mundo de negociatas abastecidas cotidianamente com propinas milionárias. Pelo menos 28 políticos já tiveram seus nomes citados por delatores do escândalo, de deputados a ministros de Estado, de governadores ao presidente do Congresso. Com cifras que transformaram o escândalo do mensalão em um caso para tribunal de pequenas causas, como definiu o ministro do Supremo Gilmar Mendes, o petrolão foi eleito Fato do Ano com 23.663 votos, ou 74% do total. E o fantasma do escândalo seguirá a assombrar políticos e empresários ao longo do ano que vem: a Procuradoria-Geral da República apresentará em fevereiro ao Supremo Tribunal Federal os pedidos de abertura de inquérito contra parlamentares e autoridades citados nas delações. Até agora, um deputado foi cassado em decorrência da Lava Jato: o ex-petista André Vargas.

Continua após a publicidade

Já as empreiteiras envolvidas no escândalo enfrentam não apenas o risco da punição criminal como a possibilidade de serem declaradas inidôneas a partir de 2015. Desse modo, as construtoras responsáveis por tocar quase todas as grandes obras do país ficariam impedidas de prestar serviços ao governo federal. O cenário imprevisível para o próximo ano inclui ainda os desdobramentos de ações contra a Petrobras instauradas nos Estados Unidos. Diante de tais números, o petrolão ultrapassou na enquete especial fatos como a epidemia de ebola (4.162 votos, 13%), o fenômeno A Culpa É das Estrelas (2.431 votos, 8%), a morte de Eduardo Campos (529 votos, 2%) e a derrota, por 7 a 1, da seleção brasileira para a Alemanha na semifinal da Copa do Mundo (399 votos, 1%).

O ano de Moro – Responsável pelas ações resultantes da Lava Jato em primeira instância, Sérgio Moro é hoje o magistrado mais respeitado pelos colegas na Justiça Federal. E também um ídolo nacional. Se a complexidade dos crimes investigados pela operação colocou o juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba diante do maior desafio de sua carreira, representou também sua consagração. Moro venceu a corrida pelo título de Personalidade do Ano com 160.637 votos, ou 47% do total. Ficou à frente de personagens que se destacaram ao longo de 2014 no Brasil e no exterior – e que atuam em áreas tão diversas quanto música, cinema, política, economia, matemática, futebol e tecnologia. A lista dos cinco mais votados tem na sequência a cantora americana Taylor Swift, 143.383 votos (42%), seguida pelo senador Aécio Neves (PSDB), 16.196 votos (5%). A ex-senadora Marina Silva aparece na quarta colocação, com 12.650 votos (4%). E a Nobel da Paz Malala Yousafzai, na quinta, com 6.371 (2%).

Moro terá pela frente um 2015 agitado: como ele mesmo já afirmou, há indícios de que os crimes de corrupção e propinas “transcenderam a Petrobras”. As investigações, portanto, continuam. O Ministério Público Federal garante que as denúncias apresentadas até aqui formam apenas “o primeiro pacote”. Um dos maiores especialistas do país em crimes financeiros, o magistrado de 43 anos carrega a responsabilidade de levar adiante os processos decorrentes da Operação Lava Jato em primeira instância. Já aceitou as denúncias do Ministério Público contra 39 alvos da operação – entre eles presidentes e diretores das maiores empreiteiras do país, além do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. Foi também quem colocou na cadeia os integrantes do Clube do Bilhão, cartel de empreiteiras que decidia o preço das obras na Petrobras. Em maio, contornou o risco de libertação de réus determinada por liminar do ministro Teori Zavascki. Alvo de poderosos cujos interesses foram contrariados em decorrência da Lava Jato, Moro teve a condução dos processos validada em dezembro pelo Supremo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.