Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sergio Moro e petrolão são eleitos Personalidade e Fato do Ano na enquete VEJA-Twitter

Juiz responsável por levar à frente as investigações que trouxeram o escândalo à tona desbancaram outros 15 fatos e personalidades. Confira o resultado

O ano de 2014 ficará marcado como aquele em que o Brasil foi apresentado ao petrolão, maior escândalo de corrupção história da República. Não à toa, o esquema – armado durante os governos do PT com o objetivo de financiar campanhas políticas e, de quebra, enriquecer bandidos do colarinho-branco – foi apontado como o acontecimento mais marcante do ano em enquete especial promovida por VEJA.com em parceria com o Twitter. Já o juiz federal Sérgio Moro, o homem por trás de cada decisão que levou empresários de sucesso para a cadeia na esteira do escândalo, foi eleito Personalidade do Ano.

A votação foi aberta em 11 de dezembro e encerrada na noite desta sexta-feira. Concorriam aos títulos de Personalidade e Fato do Ano, respectivamente, 16 pessoas e 16 acontecimentos indicados pelos editores de VEJA.com que marcaram o ano de 2014.

Foram computadas as mensagens publicadas no Twitter que continham, simultaneamente, o texto #VejaPersonalidade e o nome de um dos candidatos antecedido do símbolo hashtag – por exemplo: #SergioMoro. O mesmo valia para a votação do Fato do Ano, para a qual foram considerados tuítes contendo a hashtag #VejaFato acompanhado de um dos candidatos a evento mais marcante de 2014, como #EpidemiaDeEbola, em referência ao surto da doença que assustou o mundo.

Cada tuíte correspondia a um voto. Mais de 345.000 votos foram computados. Este foi o segundo ano da parceria entre VEJA e o Twitter. Em 2013 o atacante Neymar, do Barcelona e da seleção brasileira, foi eleito com mais de 13.000 dos 57.000 votos computados – ou 22% do total.

Consequências imprevisíveis – Descoberto a partir da Operação Lava Jato da Polícia Federal, o petrolão desviou pelo menos 10 bilhões de reais. As investigações sobre o esquema apresentaram o país ao lado obscuro do funcionamento das empreiteiras – um complexo mundo de negociatas abastecidas cotidianamente com propinas milionárias. Pelo menos 28 políticos já tiveram seus nomes citados por delatores do escândalo, de deputados a ministros de Estado, de governadores ao presidente do Congresso. Com cifras que transformaram o escândalo do mensalão em um caso para tribunal de pequenas causas, como definiu o ministro do Supremo Gilmar Mendes, o petrolão foi eleito Fato do Ano com 23.663 votos, ou 74% do total. E o fantasma do escândalo seguirá a assombrar políticos e empresários ao longo do ano que vem: a Procuradoria-Geral da República apresentará em fevereiro ao Supremo Tribunal Federal os pedidos de abertura de inquérito contra parlamentares e autoridades citados nas delações. Até agora, um deputado foi cassado em decorrência da Lava Jato: o ex-petista André Vargas.

Já as empreiteiras envolvidas no escândalo enfrentam não apenas o risco da punição criminal como a possibilidade de serem declaradas inidôneas a partir de 2015. Desse modo, as construtoras responsáveis por tocar quase todas as grandes obras do país ficariam impedidas de prestar serviços ao governo federal. O cenário imprevisível para o próximo ano inclui ainda os desdobramentos de ações contra a Petrobras instauradas nos Estados Unidos. Diante de tais números, o petrolão ultrapassou na enquete especial fatos como a epidemia de ebola (4.162 votos, 13%), o fenômeno A Culpa É das Estrelas (2.431 votos, 8%), a morte de Eduardo Campos (529 votos, 2%) e a derrota, por 7 a 1, da seleção brasileira para a Alemanha na semifinal da Copa do Mundo (399 votos, 1%).

O ano de Moro – Responsável pelas ações resultantes da Lava Jato em primeira instância, Sérgio Moro é hoje o magistrado mais respeitado pelos colegas na Justiça Federal. E também um ídolo nacional. Se a complexidade dos crimes investigados pela operação colocou o juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba diante do maior desafio de sua carreira, representou também sua consagração. Moro venceu a corrida pelo título de Personalidade do Ano com 160.637 votos, ou 47% do total. Ficou à frente de personagens que se destacaram ao longo de 2014 no Brasil e no exterior – e que atuam em áreas tão diversas quanto música, cinema, política, economia, matemática, futebol e tecnologia. A lista dos cinco mais votados tem na sequência a cantora americana Taylor Swift, 143.383 votos (42%), seguida pelo senador Aécio Neves (PSDB), 16.196 votos (5%). A ex-senadora Marina Silva aparece na quarta colocação, com 12.650 votos (4%). E a Nobel da Paz Malala Yousafzai, na quinta, com 6.371 (2%).

Moro terá pela frente um 2015 agitado: como ele mesmo já afirmou, há indícios de que os crimes de corrupção e propinas “transcenderam a Petrobras”. As investigações, portanto, continuam. O Ministério Público Federal garante que as denúncias apresentadas até aqui formam apenas “o primeiro pacote”. Um dos maiores especialistas do país em crimes financeiros, o magistrado de 43 anos carrega a responsabilidade de levar adiante os processos decorrentes da Operação Lava Jato em primeira instância. Já aceitou as denúncias do Ministério Público contra 39 alvos da operação – entre eles presidentes e diretores das maiores empreiteiras do país, além do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. Foi também quem colocou na cadeia os integrantes do Clube do Bilhão, cartel de empreiteiras que decidia o preço das obras na Petrobras. Em maio, contornou o risco de libertação de réus determinada por liminar do ministro Teori Zavascki. Alvo de poderosos cujos interesses foram contrariados em decorrência da Lava Jato, Moro teve a condução dos processos validada em dezembro pelo Supremo.