Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Senado americano adia votação do projeto PIPA

Pressão de grandes companhias de internet e falta de apoio no Congresso motivaram decisão

Por Da Redação 20 jan 2012, 13h56

Diante da forte oposição de companhias de internet e da retirada do apoio por parte de alguns congressistas que defendiam o Protect IP Act (PIPA) – criado para barrar a entrada de conteúdo digital pirateado nos Estados Unidos -, o Senado americano decidiu adiar a votação, prevista para a próxima semana. A decisão representa uma vitória parcial das empresas de tecnologia no embate que tem dividido opiniões nos Estados Unidos.

“Não há motivos para ignorar problemas legítimos sobre o projeto levantados por tantas pessoas”, afirmou o líder democrata no Senado, Harry Reid, em um comunicado oficial publicado nesta sexta-feira. “Encorajo o envolvimento de todas as partes interessadas na proteção da propriedade intelectual dos americanos. E mantenho a confiança na inovação da internet”, disse.

O senador ainda não definiu uma nova data para a votação, apenas apontou que uma definição sobre o tema pode surgir “nas próximas semanas”. Reid ainda afirma que está contente com o rumo das discussões.

Ao lado do Stop Online Piracy Act (SOPA), o PIPA serve como uma espécie de barreira para sites estrangeiros que oferecem conteúdo, como música e vídeo, de forma ilegal – desrespeitando as leis locais de direitos autorais.

Se aprovados, o governo terá liberdade para fechar as páginas em seu país de origem e cancelar pagamentos feitos pela publicidade on-line. Sites que fizerem meras referências (como links) aos serviços considerados ilegais também sofrerão penalização, podendo ser excluídos de serviços de busca como Google e Bing, por exemplo.

A atual oposição aos projetos conta com empresas de grande porte na internet, como o próprio Google, a Wikipédia – que realizou protesto na última quarta-feira – e a Amazon, por exemplo. Todas se posicionaram contra a pirataria de conteúdo digital, mas afirmam que o texto atual das leis pode dificultar e até inviabilizar a prestação de serviços aos usuários.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)