Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Pagar com o celular será uma realidade em breve

Será possível fazer compras tanto com smartphones quanto com celulares convencionais

Por Da Redação 1 mar 2012, 11h15

Pagar as compras com o celular será, em breve, uma realidade para os consumidores, mas resta saber quem se beneficiará deste novo mercado: bancos, operadoras de telefonia ou novos personagens da internet.

O pagamento com o aparelho celular utiliza diferentes tecnologias. Em uma das possibilidades, o comprador pode pagar a sua mercadoria graças a uma carteira eletrônica localizada na internet; outra opção, mais segura, é passar o celular na frente de um leitor NFC (Near Field Communication) – padrão capaz de habilitar a função de pagamento nos telefones móveis, sem contato ou senha.

Leia também:

Celular, seu próximo cartão de crédito

Esta última solução obriga o comprador a dispor de um telefone especialmente equipado, ou carregar seu chip, enquanto que o vendedor precisará de um terminal de pagamento especial. É a opção preferida por operadoras e bancos, mas parece estar voltada principalmente para os países desenvolvidos.

“Embora algumas cidades já tenham feito experiências de tamanho real, ainda estamos longe de uma utilização generalizada pelos consumidores e de uma implantação industrial pelos varejistas”, disse Patrick Flamant, responsável pela empresa Ogone, operadora de pagamento on-line.

O Congresso Mundial de Telefonia Móvel, que acontece nesta semana em Barcelona, foi a ocasião para os fabricantes de celular anunciarem a saída do mercado de vários terminais compatíveis NFC e para os fabricantes dos cartões Gelmalto, INSIDE Secure ou STMicroelectronic de apresentar suas propostas neste terreno.

Continua após a publicidade

Além disso, segundo analistas, a função de pagamento com telefones NFC pode ser superada por outras mais úteis para o consumidor: cartões de transportes públicos, crachás ou cartões de fidelidade. “Acho que o NFC não vai decolar. Eu acredito muitos mais nas soluções de pagamento através de redes sociais: Facebook credit ou PayPal”, opinou Gilles Blanc, diretor de estudos do Grupo de Benchmark.

Para o Paypal, especialista em pagamento pela internet com 106 milhões de usuários ativos, o pagamento com celular já é uma realidade que alcançou 4 bilhões de transações em 2011 e deve chegar a 7 bilhões em 2012.

“É importante seguir os nossos usuários para todos os lugares onde realizam compras”, explica David Marcus, vice-presidente da Paypal Mobile. “Vamos investir agora nos comércios convencionais, já que oferecemos soluções para qualquer método de pagamento.”

As gigantes companhias americanas Visa e MasterCard optaram por investir em ambos os campos: o NFC e as soluções de pagamento móvel por celulares mais simples. A segunda opção é mais adequada aos países em desenvolvimento. “O celular é uma ferramenta que nos permite fazer coisas diferentes em diferentes mercados”, disse Hannes van Rensburg, chefe da subsidiária de pagamentos móveis da Visa em países emergentes.

Orange Money, uma filial da operadora de telefonia francesa Orange, chegou a um acordo com a Visa para oferecer contas pré-pagas móveis aos seus clientes em sete países da África e do Oriente Médio. A maioria do público alvo dessa ação nunca teve conta bancária.

A Mastercad continua com uma política de associação com entidades bancárias e operadoras para oferecer pagamento móvel. Em colaboração com a operadora Turkcell, da Turquia, lançará no mercado uma carteira eletrônica utilizado por 13 bancos locais. “O importante não é a tecnologia utilizada, mas a proposta de serviço oferecida para o consumidor”, explica Javir Herraiz, chefe do Santander Card.

(Com AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade