Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Negociação entre Google e Verizon pode definir prioridade de acesso à internet

Por The New York Times 5 ago 2010, 11h56

Google e Verizon, dois grandes jogadores em serviços e conteúdo de internet, estão próximos de um acordo que permitirá à Verizon aumentar a velocidade de alguns conteúdos on-line – se os criadores desses conteúdos estiverem dispostos a pagar pelo privilégio, é claro.

Os valores seriam pagos pelas empresas, como o YouTube, do Google, por exemplo, à Verizon, uma dos maiores provedores de serviços de internet dos Estados Unidos, para garantir que esses conteúdos recebam prioridade para chegar mais rápido aos consumidores. O acordo poderá aumentar os preços para os usuários de internet.

O acordo pode derrubar um dogma sagrado da internet conhecido como “neutralidade da rede”, pelo qual nenhum conteúdo pode levar vantagem sobre outro. Caso o acordo saia, os consumidores estarão diante de um novo sistema na web, como o da TV a cabo, que oferece níveis superiores de serviço a um custo mais elevado.

Qualquer acordo entre Google e Verizon também poderia derrubar os esforços da Comissão Federal de Comunicações dos Estados Unidos (FCC, na sigla em inglês) para afirmar sua autoridade sobre os serviços de banda larga. Em abril, uma corte de apelações restringiu a atuação do órgão ao determinar que a FCC não pode exigir que provedores de serviço de internet se abstenham de bloquear ou retardar conteúdos ou aplicativos, ou até mesmo favorecer terceiros.

A FCC já procura outra forma de aplicar o conceito de neutralidade da rede. Mas suas propostas receberam oposição no Congresso, e também entre prestadores de serviços, empresas de cabo e alguns produtores de conteúdo para a internet.

Pessoas que acompanham as negociações disseram que o acordo deverá ser apresentado na próxima semana. Se concluído, o Google, cujo sistema operacional Android é usado em muitos celulares da Verizon, poderia concordar em não contestar a capacidade da Verizon de gerenciar sua rede de banda larga da forma que quiser.

A perspectiva do acordo Google-Verizon enfureceu muitos defensores dos consumidores, que sentem que a medida pode concentrar em mãos de poucas empresas o controle do que até agora tem sido um sistema livre e aberto, no qual os consumidores decidem quais empresas devem ser bem-sucedidas.

“A questão da neutralidade da rede é prevenir que grandes empresas dividam a internet entre si”, disse Gigi Sohn, presidente e fundadora da Public Knowledge, um grupo de defesa dos consumidores. “O futuro da internet é um assunto grande demais para ser decidido pelas negociações de duas empresas, mesmo que sejam tão grandes quanto a Verizon e o Google.”

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)