Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Moto X, primeiro celular da Motorola na era Google, chega ao Brasil na terça-feira

Nos Estados Unidos, aparelho custa entre 199 e 249 dólares, dependendo do contrato com as operadoras de telefonia

Por Da Redação - 29 ago 2013, 15h06

Na próxima terça-feira, às 10 horas, a Motorola Mobility apresenta ao mercado brasileiro o Moto X, primeiro smartphone da companhia que leva o selo oficial do Google. A confirmação do evento foi enviada aos jornalistas nesta quinta-feira, mas não oferece informações específicas sobre o produto, como disponibilidade ou preço do aparelho.

Leia também:

Google e Motorola apresentam primeiro fruto comum: Moto X

Motorola quer celular para concorrer com iPhone e Galaxy

Publicidade

Eric Schmidt é flagrado usando novo smartphone da Motorola

O Moto X tem tela de 4,7 polegadas, com resolução de 1.280 x 720 pixels e densidade de 321 pontos por polegadas (ppi) – número inferior aos 441 ppi do rival Galaxy S4. Sua câmera principal, a traseira, tem 10 megapixels e utiliza a tecnologia conhecida como Clear Pixel, que garante um melhor aproveitamento da luz na cena. O processador é um quad-core de 1,7 GHz, apoiado por 2 GB de memória RAM.

Durante a apresentação oficial do smartphone, feita no começo do mês nos Estados Unidos, a Motorola anunciou que vai colocar dois modelos no mercado baseados na capacidade de armazenamento de dados: um de 16 GB e outro de 32 GB. Em relação à bateria, a companhia promete autonomia de 24 horas com base no uso moderado de funções como acesso à internet via 3G, visualização de fotos e vídeos e chamadas telefônicas. O sistema operacional escolhido para operar o Moto X é o Android 4.2.2, embora a plataforma já esteja na versão 4.3 – que já pode ser instalada em aparelhos da linha Nexus.

A Motorola Mobility foi adquirida pelo Google em 2011 por 12,5 bilhões de dólares, e o Moto X é o primeiro fruto da operação conjunta. Seu preço nos Estados Unidos varia entre 199 dólares e 249 dólares, mas depende de contratos de fidelidade com as operadoras locais.

Publicidade