Viagem controlada: o uso de psicodélicos no tratamento de doenças mentais

Estudos recentes, conduzidos por sérias instituições de pesquisa, inclusive no Brasil, vêm oferecendo resultados convincentes

Por Giulia Vidale - Atualizado em 7 nov 2019, 15h05 - Publicado em 1 nov 2019, 06h00

Um paradoxo da ciência tem produzido muito ruído: o uso de psicodélicos, drogas associadas a alucinações e viagens mentais, nos cuidados de doenças psiquiátricas. Estudos recentes vêm oferecendo resultados convincentes. Chá de cogumelos para depressão e dependência de tabaco e cocaína; LSD para angústia e alcoolismo; ayahuasca para ansiedade e transtorno de stress pós-traumático (veja o quadro). Os institutos de pesquisas envolvidos nos trabalhos são seriíssimos: a Universidade College London e a Universidade Federal de São Paulo estão entre os pioneiros. Há dois meses, a renomada Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, inaugurou o maior centro de estudos do mundo inteiramente dedicado à pesquisa desse tipo de substância, com um investimento de 17 milhões de dólares, o equivalente a 70 milhões de reais.

Os psicodélicos podem ser extraídos de plantas ou sintetizados em laboratório. Eles agem basicamente de duas formas — reduzem a atividade na amígdala, a parte do cérebro que regula a resposta ao medo, e aumentam a atividade no córtex pré-frontal, área do raciocínio, humor e percepção. Dá-se o desejado efeito terapêutico à medida que a droga instaura novos ritmos cerebrais, controlando o que parece exagerado e freando o que desponta em exces­so. Há, ainda, outro movimento positivo: os alucinógenos estimulam a quantidade de neurotransmissores no cérebro, em especial a serotonina, que regula as emoções e sensações. Diz o psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira, pesquisador em tratamento de dependência química na Unifesp: “Dessa forma, o paciente consegue falar melhor e mais profundamente sobre seus traumas e problemas”.

O chá ayahuasca, utilizado em rituais religiosos como os do santo-­daime, mostrou-se eficaz, por exemplo, no combate ao tipo de depressão mais severa, aquela que responde mal aos medicamentos disponíveis e acomete 100 milhões de pessoas no mundo, 4 milhões delas no Brasil. Pesquisa conduzida pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte avaliou pacientes com idade de 21 a 59 anos que conviviam com a doença havia onze anos, em média. “Engana-se, no entanto, quem pensa que o efeito positivo possa vir do uso recreativo da droga”, diz o neurocientista Eduardo Schenberg, coordenador dos estudos com MDMA para transtorno pós-­traumático no Brasil. “Os benefícios para a saúde só serão conquistados se a utilização das substâncias seguir protocolos terapêuticos precisos.”

A administração das drogas exige, evidentemente, muitos cuidados. Para que seus efeitos colaterais agudos sejam minimizados — além das alucinações, elas podem provocar tonturas, enjoos e aumento da pressão arterial —, os pacientes recebem a substância no hospital ou em clínicas. Os quartos são preparados para proporcionar um ambiente de tranquilidade — decorados com plantas e iluminados por luz natural. A quantidade das substâncias e a duração dos efeitos variam de droga para droga. Algumas são usadas integralmente. De outras, extrai-se um composto específico. Os testes com ayahuasca mostraram resultados com uma dose, o equivalente a uma xícara de chá. Com o MDMA, composto do ecstasy, foram necessárias três sessões com quantidades de 75 miligramas a 125 gramas.

Publicidade

Os primeiros estudos com psicodélicos na medicina são de 1914, com ecsta­sy. Os cogumelos tiveram uma versão sintética comercializada nas décadas de 50 e 60 para terapias psiquiátricas experimentais. Nos anos 60, Timo­thy Leary (1920-1996), professor de psicologia clínica da Universidade Harvard, ganhou fama como proponente dos benefícios terapêuticos e espirituais do LSD. Usando ele mesmo esse produto sintético, fez pesquisas que o levaram a estabelecer quadros de níveis de consciência. Mas na década de 70 a fabricação e a venda de qualquer composto alucinógeno para uso medicinal foram proibidas pelo governo americano. Os estudos terapêuticos só foram retomados a partir dos anos 1990, quando a ciência se rendeu à limitação dos remédios para as doenças mentais. Se os testes em larga escala conseguirem repetir os resultados obtidos até agora, os psicodélicos poderão vir a ser usados dentro de cinco anos. Até lá, contudo, de mãos dadas com a medicina, haverá uma longa batalha jurídica de autorização.

 ./.

Publicado em VEJA de 6 de novembro de 2019, edição nº 2659

Publicidade